PUBLICADO EM 15 de out de 2017
COMPARTILHAR COM:
Colunista Ricardo Patah

O futuro está nas mãos dos professores

 

Base para o conhecimento de todas as profissões, o professor é o trabalhador a ser homenageado no dia 15 de outubro. Neste momento, e por essa razão, é que devemos refletir sobre sua fundamental importância, não só nesta data, mas na formação irrestrita da população brasileira. Será que estamos dando o devido valor a essa categoria tão sofrida da nossa classe trabalhadora?

Todas as categorias profissionais têm sofrido, diuturnamente, duro golpe. O professor, na base da pirâmide, além de não ser visto como figura essencial, sofre todo tipo de vilipêndio. Sem eles não há futuro, mas, partindo deste pressuposto, como explicar a Emenda Constitucional 95, que congela por 20 anos seus salários e investimentos em serviços públicos? Como explicar a “reforma do ensino médio”, que prega a contratação por notório saber e agride a todos os profissionais da educação que se dedicaram pela didática, pela técnica, pela ciência? Vale lembrar que a Constituição de 1988 define a educação como direito de todos e dever do Estado. Ela é a força que move o desenvolvimento, que se pese todas as revoluções, não se faz nada sem bons técnicos, teóricos, gente instruída. A inovação e o avanço da produtividade e do trabalho só se tornam sólidas porque houve – lá atrás – um professor aplicando o ensinamento correto.

Não precisa ir muito longe para vermos que a educação no país está aquém das expectativas. Pergunte ao professor que há na sua família, ao mestre dos seus filhos na escola, ou às vezes até você, que está lendo este artigo e que pode ser um dos dois milhões de professores que há em nosso país, segundo pesquisa do INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais). É preciso termos a valorização do profissional, a correta e correlata estrutura de ensino e material e vontade de realmente ver a educação como uma bandeira brasileira de desenvolvimento, aí sim poderemos comemorar integralmente como gostaríamos.

Neste 15 de outubro, no entanto, vamos fortalecer a nossa luta. Parabenizar os professores pela data, por sua garra, fibra e vontade de aprender e ensinar, independente de qualquer agrura ou anormalidade no sistema. Ele sabe que ele precisa, que pode e que deve levar o conhecimento, fazendo até o inimaginável para que o objetivo se alcance. Um profissional múltiplo, versátil, criativo e coerente, mas que também é um ser humano, trabalhador e incansável, objetivando um horizonte será sempre ampliado, mas que almeja um caminho sempre melhor – para si e para os estudantes.

*Ricardo Patah é presidente nacional da União Geral dos Trabalhadores

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS

QUENTINHAS