Sérgio Butka

Governo quer empurrar todo mundo para informalidade

Quando deveria mirar o bom exemplo de países desenvolvidos como Alemanha, França e Noruega, onde se ampliam direitos, reduzem jornadas, aumentam salários e avançam rumo ao trabalho decente, miram em terras sem leis, como China e Filipinas. Lugares esses onde o trabalhador não tem escolha, não tem direitos, não tem proteção e mal tem salário.

Antônio Augusto de Queiróz (Toninho)

O que é e para que serve o governo

Os governos, nas democracias, devem representar a vontade popular num determinado momento histórico, afinal são os responsáveis por administrar os recursos, elaborar e aplicar as políticas públicas.

João Guilherme Vargas Netto

O pulo da onça

Dizem que os grandes animais antediluvianos ao sofrerem uma ferida letal levavam um tempo enorme para morrer. Seu cérebro, minúsculo, era tardo em processar tal informação. O movimento sindical dos trabalhadores brasileiros atravessa uma fase difícil em que a dessindicalização é galopante e há um retardo nas consciências para compreender o avassalador desafio que lhe […]

Ruth Coelho Monteiro

Direitos humanos para quem?

Avançamos, sim, não resta dúvida, uma parte da humanidade desenvolveu-se. Uma parte da humanidade tem direito a tudo e uma parte ainda não tem direito algum. Setenta anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos:muitas revoluções nesse período, muita gente deu sua vida, muitos nobres advogados defenderam a liberdade, a igualdade...

Carolina Maria Ruy

Saflate erra em achar que a história é uma linha reta

Em seu artigo “Organizar as lutas”, desta sexta, 7, na Folha de São Paulo, o professor de filosofia, Vladimir Saflate, fala que vivemos “um esgotamento profundo dos modos de organização das lutas e das mobilizações”. Segundo ele, partidos, sindicatos e associações diversas “mostraram não estar à altura das formas de emergência que a sociedade contemporânea […]

Bolsonaro pode aprender com os coletes amarelos

Manifestação sem comando emperra a possibilidade de diálogo o que dificulta a tomada de uma solução. É que acontece na França. Uma manifestação que encurralou Emanoel Macron, o presidente reformista que pretendia ter um diálogo sem intermediários com a população.

Paulo Pereira da Silva (Paulinho da Força)

Investimentos são importantes para reduzir a desigualdade social

Como deputado federal tenho atuado diariamente para a mudança dessa triste realidade que o Brasil vive. Votei contra a reforma trabalhista, que dificultou ainda mais a inserção no mercado de trabalho; sou contra a atual proposta da reforma da Previdência; e sou contra as altas taxas de juros cobradas pelo Copom, porque prejudicam a produção industrial e aumentam o desemprego.

João Guilherme Vargas Netto

É o fim!

Em um documento da Frente Parlamentar Evangélica de 24 de outubro estava explicitada a proposta de extinção do ministério do Trabalho e da repartição de suas atribuições por meio de secretarias subordinadas a alguns dos ministérios restantes (que seriam 15). O desenho institucional e administrativo apresentado pelo governo atende àquelas...

Luiz Carlos Motta

Aprendizados para hoje e amanhã

O empenho por melhores condições de trabalho e elevação da qualidade de vida da categoria contou com eventos, cursos e participação em mobilizações, entre outras agendas, que sempre colaboram com o aprimoramento dos nossos conhecimentos e, como consequência, para o fortalecimento das nossas lutas.

José Pereira dos Santos

Um erro desnecessário

Na prática, o Ministério será extinto. O que isso significa? Significa muitas coisas. Primeiro, que o País perde seu principal instrumento de mediação entre capital e trabalho, cujo objetivo maior é dar equilíbrio a essas relações. Esse equilíbrio é fundamental para que se pratique no Brasil o trabalho decente, que é um dos marcos principais da OIT – Organização Internacional do Trabalho.