Marilane Oliveira Teixeira

Redução da jornada de trabalho: um debate necessário

É inegável a relevância do debate sobre a jornada de trabalho para a organização da vida social uma vez que a distribuição do tempo é um dos problemas centrais de todas as sociedades. Os tempos são recorrentemente transformados pelas mudanças econômicas, sociais e culturais, mas tais mudanças não se processam unicamente na esfera produtiva com o controle da extensão, distribuição e intensidade da jornada relativa ao trabalho remunerado, mas na forma como o trabalho reprodutivo está organizado e como mulheres e homens distribuem o seu tempo entre essas duas dimensões de forma articulada entre si. Apesar da grande capacidade do capitalismo em transformar as condições de trabalho, ele não foi capaz de eliminar a necessidade de um tempo necessário para a reprodução social de mulheres e homens.

Alex Saratt

Não é programa, não é eleição, é luta!

[caption id="attachment_69148" align="alignnone" width="1024"] Manifestação em SP, 26/02/2021. Foto: Roberto Parizotti.[/caption] Quando finalmente um setor do qual temos todas as divergências e antagonismos possíveis e imagináveis se decide pela política de lutar pelo afastamento do genocida e golpista do cargo de presidência, surge a antipolítica em sua visão e versão...

Miguel Torres

Todos juntos contra o desgoverno no dia 12/09

O Movimento Sindical, como protagonista histórico das lutas democráticas, fortalecido pela unidade de ação das centrais, estará presente no ato do dia 12 de setembro, pelo Impeachment urgente de Jair Messias Bolsonaro. O povo está cansado e estarrecido com as atitudes irresponsáveis do atual mandatário. Ele produz diariamente conflitos desnecessários patrocinando ataques às instituições democráticas, como o movimento sindical, Judiciário, Congresso Nacional, sistema Político-Partidário, Imprensa, Associações Livres, entre tantos outros, e destruindo relações diplomáticas que cultivamos ao longo de nossa história.

José Raimundo de Oliveira

O bolsonarista é, antes de tudo, fascista

Ao contrário do que vem afirmando parcela da mídia hegemônica, as manifestações pró-Bolsonaro, de 7 de setembro, não foram nada pacíficas pois preconizavam pela violência ao defender o fim do STF e do Congresso Nacional, a volta da ditadura militar. Enfim, um atentado contra a democracia. Tratou-se de uma violência...

Clemente Ganz Lúcio

Senado barra programas e medidas de precarização do trabalho

Desafios do emprego continuam e são complexos O governo federal tem abusado do expediente de atuar por Medida Provisória (MP), utilizando-se dessa ferramenta para “governar por decreto” em assuntos que fogem do escopo desse instrumento. E tem ido ainda mais longe ao usar as MPs para fazer mudanças normativas permanentes,...

João Guilherme Vargas Netto

Um dia depois do outro

Felizmente os terremotos previstos para acontecer no 7 de Setembro não derrubaram nada, embora façam tremer a superfície e invertam a sabedoria portuguesa: as piores consequências já aconteciam antes. Com efeito, os problemas do povo e particularmente dos trabalhadores continuaram como antes – doença, desemprego, carestia – e muito pouco...

Edson Dias Bicalho

Sem emprego, com fome e no escuro

Está realmente difícil o Brasil engrenar e mudar o curso de empobrecimento. Atualmente, são mais de 14 milhões de pessoas desempregadas e boa parte passa fome. Somos o segundo maior exportador de alimentos do mundo, segundo a Organização Mundial do Comércio (OMC), mas Relatório da Organização da ONU para Agricultura e Alimentação (FAO) estima que 23,5% da população brasileira tenha vivenciado insegurança alimentar moderada ou severa entre 2018 e 2020. De 2020 para cá, com a pandemia de coronavírus, a situação só pirou. E, infelizmente, parece que está longe desse cenário mudar.

Eliseu Silva Costa

A Política criminosa da Insanidade

Então assistimos a mais um espetáculo da incompetência e da falta de foco deste governo no Dia da Independência. Milhares e milhares de seguidores cegos pelo ódio e pela ignorância de um “líder” insano e desesperado foram às ruas pedir absurdos tais como fechar o STF, o Congresso Nacional, a volta do AI-5, intervenção militar, Golpe de Estado, voto impresso e outras sandices que em nada, absolutamente nada, poderia melhorar a situação do país. De fato, o que assusta, é a total irresponsabilidade e alienação de um Presidente da República que, dia após dia, faz de tudo para dividir cada vez mais a população de seu país e manter-se no Poder.

Igor Felippe Santos

A batalha do 7 de setembro e a centralidade das ruas

O 7 de setembro marca uma nova fase da luta política, com o acirramento da disputa e as manifestações de rua ganhando centralidade. No dia da Independência do Brasil, houve mobilizações da corrente neofascista que apoia o presidente Jair Bolsonaro e das forças progressistas, conduzidas pelas frentes Brasil Popular e...

Alex Saratt

Sobre o negacionismo

Negacionismo não é só fake news e absurdos toscos, delírios e histerias. Nunca deve ser confundido com uma espécie de irracionalismo que beira o animalesco, pois faz parte de um conjunto articulado, inteligente, proposital, metódico, pedagógico, instrumentalizado que visa estabelecer um projeto de sociedade, um modelo de comportamento e uma...