PUBLICADO EM 14 de Maio de 2019
COMPARTILHAR COM:

Cresce apoio à Greve Nacional da Educação, desta quarta-feira, dia 15

As manifestações a favor da paralisação dos profissionais de Educação, nesta quarta (15), crescem e conquistam a adesão de amplos setores em todo o Brasil. Na última sexta, as Centrais Sindicais se reuniram e também decidiram apoiar a a greve.

Estudantes da Universidade Federal do Pará definem participação nos atos dos professores / Foto: Arquivo

No Estado de São Paulo, a mobilização ganha corpo. Alunos e pais se somam a educadores e funcionários; assembleias em universidades estaduais reúnem milhares de estudantes, que engrossarão a luta contra o corte por Bolsonaro nas verbas para a Educação.

CNTE – Professor de Biologia na rede pública do Ceará, Heleno Araújo preside a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação. Ele está otimista com as adesões ao protesto nacional dos Educadores, nesta quarta, dia 15.

Heleno falou com exclusividade à Agência Sindical.

Reproduzimos alguns trechos da entrevista.

Será nacional

“Na tarde desta segunda, havia confirmação de participação em todos os Estados. Em 22 deles, já se sabe que acontecerão atos unificados, na quarta. Acho que esse modelo será adotado nos 27 Estados”.

Todos os setores

“A mobilização alcança todos os setores da educação pública – do básico à universidade. As escolas de ensino técnico também vão participar, assim como os Institutos Federais. O movimento cresceu e agora ganha adesões fortes em estabelecimentos de ensino privado e escolas ligadas à Igreja Católica”.

Quem participará

“Todas as entidades de classe da Educação. O protesto terá presença de alunos, funcionários das escolas e professores. Pais de alunos também estão se somando ao movimento”.

Nos municípios

“As entidades sindicais estão em tratativas com associações de prefeitos, porque a reforma na Previdência afetará as receitas municipais. Cortes no Fundeb, por exemplo, vão prejudicar muito os municípios. No Ceará, por exemplo, todas as escolas serão fechadas no dia, sem corte no ponto”.

Sinpro-SP – O Sindicato dos Professores de SP orienta a categoria a se reunir e avaliar a possibilidade de parar durante todo o dia 15 ou marcar a data como um dia de luta. Também pede que os educadores se organizem pra chegar ao Masp, onde haverá concentração a partir das 14 horas. “Estamos lutando contra a reforma da Previdência, o corte de verbas na Educação e por respeito aos professores”, afirma Luiz Antônio Barbagli, presidente da entidade. Em todo o Estado os Sinpros preparam a greve.

Guarulhos – Professores da rede particular se mobilizam. O Sinpro local convoca a categoria para o ato no Masp. No caso dos professores da rede municipal, a adesão à paralisação será forte. “O corte na Educação será de 35% e afetará todas as escolas da cidade”, critica Sara Santana, diretora do Stap (Sindicato dos Trabalhadores na Administração Pública Municipal) e presidente do Conselho Municipal de Educação. O Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região divulgou Nota de apoio à Greve dos Educadores. Clique aqui e leia.

Vídeo – Editorial da Agência Sindical apoia greve. Veja:

O presidente da Força Sindical, Miguel Torres, convocou os sindicalistas de entidades filiadas à Central para aderirem a greve dos trabalhadores do setor da educação, desta quarta-feira (15 de maio), que ocorrerá no País todo. Veja o vídeo:

Fonte: Agência Brasil

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS

QUENTINHAS