cultura

Conhecer a palavra temporão para saber as necessidades de quem trabalha no campo

Em Refazenda, Gil mostra o trabalho como parte da vida e a semeadura no campo para fazer brotar a liberdade e os direitos iguais.

cultura

A ousadia dos canalhas – A lava jato que o Brasil não viu; livro de Fernando Rosa

Os textos remontam a 2016 e se estende até 2019, quando o jornalista americano Glenn Greenwald dá início à série da Vaza Jato no site The Intercept Brasil, mostrando as mensagens e conversas de procuradores que desnudam violações e conduta ilegal de integrantes do Ministério Público Federal, além do papel central de Sérgio Moro, ministro da Justiça do governo de Jair Bolsonaro.

cultura

Dois Papas: dois modelos de homem, dois modelos de Igreja; por Leonardo Boff

"O filme é uma bela metáfora da condição humana, de dois modos diferentes de realizar a humanidade, que não se opõem mas se compõem e se completam, uma com a ternura e a outra com o rigor. Vale ver o filme, pois nos faz pensar e nos oferece lições de mútua escuta, de verdades ditas sem rebuços", escreve o teólogo Leonardo Boff sobre o filme Dois Papas

cultura

Geraldo Vandré canta: Canção Nordestina; música

A seca e a concentração de renda no nordeste, que criaram este cenário de miséria a abandono, são flagelos que remontam aos anos de colonização brasileira. No século 20, com o desenvolvimento urbano, o contraste da seca tornou-se um quadro triste e nítido para os brasileiros. Em 1932, quando outra estiagem devastou o sertão, se tornou conhecida a indústria da seca: as oligarquias econômicas e políticas da região que usavam recursos do governo em benefício próprio, com o pretexto de combater as mazelas do fenômeno climático. A cultura deu voz à denúncias sobre aquela situação. A seca foi tema de peça de teatro, literatura e música grandiosa na voz de Geraldo Vandré.

cultura

Arte de rua; street art em Sampa

cultura

‘Bíblia’ de Gutenberg: 4 fatos surpreendentes sobre o livro que mudou a história

Johannes Gutenberg criou uma revolução há quase 600 anos. Com a invenção da prensa de tipos metálicos móveis, na década de 1450, esse ferreiro e editor alemão tornou os textos na Europa mais acessíveis.

cultura

Charges de Gilmar sobre o Brasil de 2019 serão lançadas em livro, mas precisa do seu apoio

O projeto de financiamento coletivo é pelo Catarse  e quem participar, dependendo do valor do apoio, receberá como recompensa o livro de aproximadamente 100 páginas, coloridas, em versão pdf ou impresso em diversas combinações.

cultura

Band Aid canta: Do They Know It’s Christmas?

Band Aid foi projeto idealizado pelos músicos Bob Geldof e Midge Ure, que envolveu diversos outros artistas britânicos e irlandeses(*). Lançado na época do Natal o objetivo do compacto "Do They Know It's Christmas?" era arrecadar fundos em prol dos famintos da Etiópia. A música questiona sobre o verdadeiro espírito de comunhão do Natal na sociedade burguesa. Enquanto famílias celebram os valores cristãos quantas pessoas, crianças, idosos, mulheres e homens vivem uma situação miserável, desamparados e esquecidos ? Será que eles sabem que é (e o que é) o Natal? A comunhão, neste sentido, é pensar nos outros. Não apenas em nossas famílias e amigos, também naqueles que estão longe de nosso círculo. Em plena vigência do terrível regime de apartheid, que castigou a África do Sul por 46 anos (entre 1948 e 1994) o projeto "Band Aid Trust" foi uma das principais manifestações artísticas em prol da população africana, e a primeira que uniu tantos artistas em torno dessa causa. Depois foram realizados os projetos USA for Africa, que gravou o single We are the World e Artists United Against Apartheid, que gravou o single Sun City, ambos de 1985. O apartheid acabou oficialmente em 1994. Mas a situação social no continente africano ainda hoje é de extrema pobreza e desigualdade.

cultura

Arte de rua; street art em Sampa

cultura

Roberto Carlos canta : Café da manhã ; música

A música brinca com elementos do cotidiano. O café, o quarto, as horas, o tempo correndo lá fora e, sobretudo, deixar de ir trabalhar como prova de amor. É a subjetividade de um trabalhador. Uma intimidade talhada pela cadência do trabalho.