cultura

Museu da Língua Portuguesa será reinaugurado no dia 17 de julho

cultura

Para não se sentir só, desafiar o medo e vencer preconceitos

cultura

Arte de rua; Street art em Sampa

cultura

Escritora Carolina Maria de Jesus ganha título de doutora honoris causa da UFRJ

cultura

Gabriel , o pensador canta : A dança do desempregado; música

O desemprego está presente em milhões de lares de nosso país. Não temos dúvida que faltam políticas públicas para combatê-lo. Nesta música, o poeta deixa claro a busca que o cidadão e cidadã fazem para sua sobrevivência e de sua família.

cultura

Sinpro Cultura discute e valoriza samba paulistano

O Sindicato dos Professores de São Paulo (Sinpro-SP) convida para o evento ‘Samba Paulistano: Raízes e Encantamento’.

cultura

Brasil tem filme de temática indígena no Festival de Berlim. Participação neste ano será reduzida

Em 2019 e 2020 Brasil teve mais de dez filmes no festival. Neste ano, serão quatro. Desmonte do setor audiovisual pelo governo Bolsonaro já mostra resultado

cultura

Museu Nacional do Rio de Janeiro dá mais um passo em sua reconstrução

O projeto engloba estudos arquitetônicos, de legislação, fluxos de circulação, sustentabilidade, acessibilidade, segurança e conforto ambiental para reconstrução do museu, atingido por incêndio de grandes proporções no dia 2 de setembro de 2018.

cultura

Arte de rua; Street art em Sampa

cultura

A condição do pobre na Terra piora com o avanço conservador do capitalismo devorador; músicas

Ao iniciar a pesquisa para a escolha de canções para esta edição, uma grata surpresa ao encontrar o disco “Quarto de Despejo”, de 1961, com composições da grande escritora Carolina Maria de Jesus (1914-1977). A ex-catadora de papel, favelada, mãe solo e negra, foi descoberta pelo faro jornalístico do então repórter Audálio Dantas, que fazia uma reportagem na favela do Canindé, em São Paulo, onde Carolina morava. Em seu horário de descanso viu aquela mulher sentada na calçada, escrevendo em seu caderno, provavelmente encontrado no lixo de alguém, e teve a curiosidade, intrínseca a um bom repórter, de saber o que ela escrevia. Com isso, nasceu o clássico “Quarto de Despejo: Diário de uma Favelada”, publicado em 1960, traduzido em pelo menos 13 idiomas.