PUBLICADO EM 09 de jun de 2021
COMPARTILHAR COM:
Colunista José Pereira dos Santos

A questão salarial

Numa sociedade que consome bens e serviços, o povo precisa ter poder de compra. Como o povo não tem propriedades ou investimentos financeiros, a renda depende do valor salarial. Sem isso o mercado interno afunda e leva junto parte da economia, especialmente o setor das pequenas empresas.

Nos anos Lula e durante um período do governo Dilma, a massa salarial dos brasileiros cresceu. Ficamos ainda longe do necessário, mas houve avanços concretos. Vale lembrar que o salário mínimo subiu 76% acima da inflação. Em nossa categoria, tivemos 13 anos consecutivos de aumentos reais.

No seu penúltimo congresso, o Partido Comunista da China adotou como deliberação oficial o aumento médio dos salários. O presidente Joe Biden, dos Estados Unidos, defende que seja dobrado o valor do salário mínimo e toma iniciativas pra fortalecer o poder de negociação dos Sindicatos.

Nós somos um País de salários baixos. Exemplo é o salário mínimo fixado pelo Presidente Bolsonaro em R$ 1.100,00. O valor é muito baixo e está arrochado. Você pode pensar que poucos ganham o mínimo. Não é verdade. Entre trabalhadores da ativa e aposentados, o mínimo remunera quase 48 milhões de brasileiros. Além do salário no Brasil ser baixo, o imposto de renda corrói boa parte. Também precisa haver correção da tabela.

O “Boletim de Olho nas Negociações”, do Dieese, mostra essa realidade. A publicação informa que 60% dos reajustes no mês de abril ficaram abaixo da inflação (INPC) de 6,94%. Acima do índice inflacionário ficaram 17% dos acordos; e iguais, 23%. Ou seja, arrocho real no poder de compra de 60% das categorias.

Programa – No momento em que se debatem nomes de prováveis candidatos à Presidência da República e aos governos estaduais, pergunto: qual deles tem compromisso com a valorização do trabalho, a elevação dos salários e o fortalecimento do mercado interno?

Essas perguntas todos nós devemos fazer, porque sem poder de compra dos salários o Brasil será empurrado cada vez mais para o atraso e grande parte da nossa população ficará condenada à exclusão social.

José Pereira dos Santos – Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região

As opiniões expostas neste artigo não refletem necessariamente a opinião do Rádio Peão Brasil

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS

QUENTINHAS