PUBLICADO EM 30 de nov de 2021
COMPARTILHAR COM:
Colunista Jenny Farrell

100 anos de divisão da Irlanda

Membros do comitê de negociação irlandês voltando à Irlanda em dezembro de 1921. Foto: National Library of Ireland on The Commons

100 anos atrás, em 6 de dezembro de 1921, foi assinado em Londres o Tratado Anglo-Irlandês entre o poder colonial britânico e representantes do movimento de libertação irlandês Sinn Fein. Este tratado pôs fim à Guerra da Independência da Irlanda, mas foi ao mesmo tempo a causa da guerra civil na Irlanda, com repercussões que continuam até os dias de hoje.

Já em 1798, o movimento revolucionário dos Irlandeses Unidos, que havia sido sangrentamente reprimido, havia tomado a causa da derrubada do controle britânico e estabelecido uma república secular irlandesa no espírito dos ideais da Revolução Francesa. Este objetivo não havia mudado até a época da Ascensão da Páscoa em 1916. Em sua declaração, os líderes da revolta declararam objetivos importantes para uma Irlanda independente:

“Declaramos o direito do povo irlandês à propriedade da Irlanda e ao pleno controle dos destinos irlandeses como soberanos e invioláveis.

Pela presente proclamamos a República Irlandesa como um Estado soberano independente.

A República garante direitos religiosos e civis, igualdade e oportunidade a todos os seus cidadãos”.

Esta primeira de várias revoltas revolucionárias na Europa no início do século 20 também foi sufocada pelo sangue. A violência por parte da Grã-Bretanha levou a um apoio popular cada vez maior à luta de libertação. Em dezembro de 1918, o partido para o estabelecimento de uma república irlandesa, Sinn Féin [Nós mesmos], obteve uma vitória eleitoral esmagadora, e em 21 de janeiro de 1919 o primeiro parlamento, Dáil Éireann, proclamou a independência irlandesa.  A Grã-Bretanha proibiu prontamente o Parlamento e o Sinn Féin.  A crise se aprofundou e resultou na Guerra da Independência de 1919 a 1921. O IRA iniciou uma campanha militar e o governo britânico respondeu enviando mais tropas, os Black and Tans, notórios por seu terror. Em meados de 1920, o domínio britânico em grande parte do sul e do oeste entrou em colapso”.

Em maio de 1921, a Irlanda foi dividida pela Lei do Governo Britânico da Irlanda. A Irlanda do Norte foi criada, consistindo de seis dos nove condados do Ulster, nos quais havia uma maioria protestante sindicalista e a esfera imediata do poder britânico podia ser mantida ao máximo. Um armistício e conversações, por sua vez, levaram ao Tratado Anglo-Irlandês de 6 de dezembro de 1921, que pôs fim ao poder direto do estado britânico nos restantes 26 dos 32 condados. Foi estabelecido um governo interino.

Os principais pontos do tratado eram que a República deveria ser dissolvida e substituída pelo Estado Livre Irlandês, que permaneceu domínio britânico, e que isto deveria estar ligado a um juramento de lealdade ao monarca britânico. Este tratado, que provocou uma divisão do país em vez da liberdade e independência de uma república, desencadeou a Guerra Civil após o estabelecimento do Estado Livre Irlandês em 6 de dezembro de 1922.

A guerra civil foi travada entre as forças do governo provisório que defendeu o Tratado – posteriormente o governo do Estado Livre – e o Exército Voluntário (IRA), que se opôs ao Tratado e teve seu próprio executivo. Isso refletia uma divisão dentro do movimento de libertação entre as forças que tinham dinheiro e a igreja por trás deles, de um lado, e os despossuídos, do outro, que buscavam a realização de uma república independente. Esta divisão de classes dentro do movimento tornou-se muito clara na guerra civil e no governo do Estado Livre.

As exigências mais importantes – o estabelecimento de uma república soberana, o direito do povo irlandês de possuir a Irlanda, a liberdade religiosa e os direitos civis, a igualdade de oportunidades – foram abolidas de uma só vez pelo Estado Livre Irlandês. A Igreja Católica participou ativamente desta traição e logo o Estado Livre se tornou um Estado católico para um povo católico.

Dois partidos surgiram do movimento de libertação nacional Sinn Féin após a guerra civil que ainda hoje domina a política irlandesa: Fine Gael (FG) e Fianna Fáil (FF). O partido pró-Tratado Cumann na nGaedheal, mais tarde FG, aliou-se desde o início aos grandes negócios e, com o passar do tempo, internacionalmente aos fascistas europeus. Foi apoiada pela hierarquia católica. FF, o partido anti-contrato, tinha sua base na classe trabalhadora e entre os pequenos camponeses. Formou seu primeiro governo em março de 1932 e começou a introduzir uma legislação social progressiva para a época, incluindo o fim do pagamento de aluguéis de terras ou aluguéis a proprietários britânicos, reformas agrárias, licenças para trabalhadores, benefícios infantis e amplos projetos de habitação pública.  Com o tempo, porém, a diferença entre esses dois oponentes da guerra civil diminuiu para praticamente nada, e eles governaram a Irlanda durante os últimos 100 anos consecutivamente ou juntos. Seu inimigo comum é o Sinn Féin, que tem um apoio cada vez mais amplo na economia neoliberal de privatização e austeridade, impulsionada pela UE.

Em 1937, a FF apresentou um novo projeto de constituição, que foi aprovado por referendo e acabou com o status de Dominion. O Estado, assim, perdeu o título de “Estado Livre” e adotou o nome irlandês Éire. Foi somente em 1948 que os 26 condados da Irlanda foram declarados república, embora não fosse secular, mas profunda e exclusivamente católica. Os seis condados do nordeste permanecem sob controle britânico até os dias de hoje. Graças ao crescimento do apoio ao Sinn Féin nos últimos anos, a unificação de toda a ilha da Irlanda por meio de referendo está novamente sendo buscada e se tornou uma possibilidade realista. SF prevê uma república independente inclusiva. Até que ponto este estado pode então se libertar da dominação estrangeira pela UE ainda está para ser visto.

Jenny Farrell, nascida na República Democrática Alemã, vive na Irlanda desde 1985, é professora, escritora e editora. Escreve para a imprensa comunista na Irlanda, Grã-Bretanha, Estados Unidos, Alemanha, Brasil e Portugal e editou antologias de escrita da classe trabalhadora na Irlanda

As opiniões expostas neste artigo não refletem necessariamente a opinião do Rádio Peão Brasil

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS

QUENTINHAS