PUBLICADO EM 11 de out de 2020
COMPARTILHAR COM:
Colunista Paulo Cesar Pedrini

Pedro: Pastor, Profeta e Poeta do Araguaia

Profecia e Poesia
Esperança e Subversão
Coragem e Utopia
Amor e Revolução

O menino Pedro Casaldaliga nasceu em 1928 na Catalunha, numa família católica tradicional, tendo inclusive um tio padre assassinado durante a Guerra Civil Espanhola.
Em uma entrevista que fiz junto com o professor Rago anos atrás, ele nos dizia : “sou o Poncho “, menino do belíssimo filme ” A língua das mariposas ” de José Luís Cuerda. Ainda em sua terra natal foi ordenado sacerdote em 1952.

Alguns dizem que a vida começa aos 40,pois bem, no caso de Pedro no mínimo podemos afirmar que um choque de realidade a transformará radicalmente; em 1968 no auge da repressão da ditadura militar, Casaldaliga chega ao Brasil e descalço sobre a terra vermelha às margens do rio Araguaia faz da sua vida as suas causas.

As causas de Pedro não foram uma questão teórica, foram fruto da realidade vivida ali, presenciando posseiros serem expulsos, territórios indígenas invadidos, peões submetidos a trabalhos escravos.

” Me chamarão subversivo
E lhes direi : eu o sou
Por meu Povo em luta, vivo
Com meu Povo em marcha, vou “.

A subversão de Pedro brota de seu amor e fidelidade a Deus e a seu Povo. Sua Fé encarnada na realidade do povo, é como nos diz quem Pedro definia como Patriarca da Solidariedade na Grande Pátria Latina – Americana e chamava carinhosamente de Padrinho, o nosso querido dom Paulo Evaristo Arns : ” o Cristianismo não é uma doutrina abstrata para se saber, mas uma proposta prática para se viver “.

Tendo como lema : na dúvida sempre fique ao lado dos pobres, esse Catalão Araguaiano esteve à frente de momentos memoráveis como a Missa da Terra Sem Males e a Missa dos Quilombos, que assumiam radicalmente a causa dos povos originários e a causa dos povos negros, respectivamente.

Em diversas ocasiões teve sua vida ameaçada, porém, nunca se intimidou e sempre dizia : ” mais importante do que minha vida são as minhas causas “.
Hoje, o corpo de Pedro repousa à sombra de um Pequizeiro ( pequi para os indígenas significa Pão) às margens do rio Araguaia num cemitério Karaja. Que ele continue sendo sustento, inspiração e nos transmita sua inquietude alicerçada nos valores do Reino.

Pedro vive !! Pedro É !!

Paulo Cesar Pedrini , historiador e educador, coordenador da Pastoral Operária Metropolitana de São Paulo

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS

  • Antonio Rago

    Pedro Casaldaliga, foi um verdadeiro santo! Como Paulo e eu fizemos a mesma pergunta para o grande Antonio Candido, quando ao referir-se a D. Arns como um autêntico SANTO! Sim, quem acompanhar sua vida não poderá usar a mesma palavra SANTO. No sentido de Candido: uma pessoa que se dedica o tempo todo de sua vida aos pobres, oprimidos, subalternizados, daí a sua luta eterna! Obrigado, Paulo.

QUENTINHAS