PUBLICADO EM 20 de dez de 2017
COMPARTILHAR COM:

Vigilante de escolta armada conquista aumento real nos salários em SP

O Sindicato dos Trabalhadores no Transporte de Valores e Escolta Armada do estado de São Paulo (SindForte) concluiu terça (19) a campanha salarial dos cerca de três mil trabalhadores no setor de escolta, com data-base em 1º de janeiro.

O acordo coletivo garante reajuste de 2,10%, índice acima da taxa acumulada em 12 meses encerrados em novembro, que ficou em 1,95%. Como a inflação segue em queda – outubro teve 0,37, caindo pra 0,18 em novembro – a estimativa é que o reajuste supere a inflação acumulada em nossa data-base.

O presidente do SindForte, João Passos, avalia: “Não foi fácil. As ameaças da lei trabalhista, em vigor desde 11 de novembro, dificultaram as negociações. Os patrões queriam de todo jeito mexer na Convenção e cortar direitos”.

Direitos – Além do aumento salarial e no tíquete refeição/alimentação, foram renovadas todas as cláusulas da Convenção Coletiva. Os patrões pressionaram pra mudar as regras do convênio médico, de coletivo pra individual, encarecendo muito para o trabalhador. Mas o Sindicato conseguiu manter a regra atual.

Tíquete – Subiu de R$ 23,40 para R$ 24,00 – aumento de 2,56%. O tíquete para o café da manhã nas empresas que não dispõem de lugar para desjejum também foi reajustado.

Valores – Com a aplicação dos 2,10%, o Piso do vigilante de escolta sobe de R$ 1.623,37 pra R$ 1.657,46. O adicional de Periculosidade aumenta para R$ 497,22. A remuneração básica mensal será de R$ 2.154,68.

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS

  • Andre soares

    Boa noite, estou pensado em fazer o curso de vigilante de escolta armada , depois de fazer os dois curso , nesta área sempre sugem vaga , pra escolta armada , o devido à crise em s.p está sendo difícil vaga , me da sua opinião . Desde já agradeço .

  • Valdemir

    É uma vergonha esse aumento da categoria. Os patrões ganha uma fortuna em cima do pai de família, sem contar que o salário já é muito baixo para tanto risco. É por isso que eu nunca fui e nunca quero ser sócio de um sindicato como esse.

QUENTINHAS