PUBLICADO EM 06 de jun de 2018
COMPARTILHAR COM:
Colunista Nilton Neco

E Golias matou Davi

Ensina a Bíblia que Golias era um gigante: mais de dois metros e noventa. Já Davi era um pastor. Mas um pastor bom de mira, ótimo de briga e excelente de fé.

Foi graças aos seus dons que derrotou o gigante com uma funda e se tornou o maior rei de Israel. Muito maior do que os quase três metros de Golias.

Passados mais de 3000 anos, há novos Golias, Davis e, claro, pedras.

O SINDEC é uma dessas pedras. Pedra que durante muito tempo esteve nos sapatos de couro alemão de muitos Golias. Eles tentavam pisar nos Davis e a pedra incomodava. Eles tentavam correr com os Davis e a pedra impedia. Eles tentavam chutar a bunda dos Davis e a pedra gritava: aqui, não!

Foi assim que o Sindicato dos Comerciários de Porto Alegre ganhou o respeito de Davis, Marias, Josés e outros milhares de comerciários. Mas também foi assim que ganhou o ódio de Golias, Flávios, Lucianos e centenas de gigantes.

E, com reza brava, entra na história a Reforma Trabalhista. No mês de maio, tivemos a primeira experiência de uma contribuição sindical com as novas regras. Não sobrou pedra sobre pedra.

Nossa receita caiu 85%. Sim, apenas 15% do valor foi arrecadado. Mas o Sindec precisa de receita? Claro. Há pessoas trabalhando, estruturas físicas para atender os associados, serviços médicos, odontológicos, jurídicos à disposição do comerciário. Opa, jurídico? Pois é. Esse é um bom exemplo que sempre deixou os Golias de olhos arregalados.

Na hora da negociação, os gigantes tentavam amassar o trabalhador. Salários, horários, condições, tudo era imposto de cima para baixo. Quem segurava o teto para não desabar a casa do comerciário? O SINDEC. Segurava. O passado parece que será enterrado junto com os direitos do trabalhador.

Se você é comerciário e considera a contribuição injusta, venha conhecer a atuação do SINDEC e descobrir quanto vale um dia seu de trabalho. Agora, se você é um gigante, não cresça o olho: enquanto tivermos alguma pedra, vamos lutar até o último suspiro.

Nilton Neco – Presidente do SINDEC-POA

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS

QUENTINHAS