PUBLICADO EM 14 de dez de 2021
COMPARTILHAR COM:
Colunista Oswaldo Augusto de Barros

A busca através da crença em você

Bastaram 30 dias de isolamento físico – quer seja presencial ou por meios que hoje a tecnologia nos apresenta – para notar no nosso íntimo que nada mudou.

Não é a tecnologia que nos afasta das pessoas, com formas e meios de comunicação cada vez mais simples de dominar. Esse domínio talvez esteja no isolamento que o próprio ser humano busca para satisfazer seu orgulho ou ego.

Confesso que procurei não viver esses extremos, mas o que amealhei nesses dias de clausura foram ensinamentos profundos de desapego, de compaixão, amor ao próximo e principalmente o acolhimento.

Não sou afeito a filosofar ou, a partir dessa fase, achar que a dor que passei, pelos momentos clínicos que vivi e ainda terei que viver, o ser humano passou a me compreender melhor. Não foi isso que busquei, muito menos teria a coragem de tornar-me vítima de uma situação, para ser melhor compreendido.

É fato que o agradecimento a todos, mesmos aos silentes, que oraram pela minha recuperação, fez a diferença. Entretanto, quero apenas dizer que, acima de tudo, o amadurecimento de meus atos foi lapidado artisticamente.

Meus familiares, alguns que não encontrava há anos, se reaproximaram. Amigos criaram correntes de orações, banhos de energia e tantos simbolismos, que forças chegaram de todos os lados.

Grato a todos que evitaram me ligar. Aprendi que: “ouvir sem estar ao lado, aumenta a dor”.

É fato que minha vida virou de cabeça para baixo. Meus funcionários, alguns inclusive sem receber seus salários, nunca deixaram de me acompanhar com carinho, visitas, bilhetes e muita oração. Meu agradecimento a todos. Não sei como, mas, tão logo tenha condições de retomar, tudo será sanado.

Sem falar dos médicos, enfermeiras, trabalhadores da saúde em geral que me acolheram, tanto da Fundação Antônio e Helena Zerrenner ou da Fundação Alemã Oswaldo Cruz, dando-me o consolo necessário à vida e a alma.

Quero que saibam, inclusive os mais insensíveis, que retorno mais disposto e forte. Tudo que vivi me deu novo ânimo de vida. Em breve estarei pronto para retornar às atividades normais. Peço a Deus que abençoe a todos.

Professor Oswaldo Augusto de Barros
presidente da CNTEEC e coordenador-nacional do Fórum Sindical dos Trabalhadores- FST

As opiniões expostas neste artigo não refletem necessariamente a opinião do Rádio Peão Brasil

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS

QUENTINHAS