PUBLICADO EM 15 de nov de 2017
COMPARTILHAR COM:
Colunista José Maria de Almeida

Organizar a Greve Geral contra a reforma da Previdência

Notícia publicada hoje (15) na Folha de São Paulo, mostra claramente que o governo está avançando na preparação para votar a sua reforma da previdência. E, diferente do que a campanha publicitária de Temer quer fazer crer, a proposta do governo não tem nada de “desidratada”. Trata-se de um ataque gravíssimo ao direito à aposentadoria, uma proposta que não tem nada para ser negociada, precisa ser rechaçada em seu conjunto.

Apesar do desgaste junto à população, que gera esta discussão neste momento, o governo e o Congresso Nacional insistem nela por exigência do sistema financeiro, dos bancos, e das grandes corporações econômicas. Eles ligaram um “dane-se” para o que pensa o povo brasileiro e estão focados apenas no apoio da grande mídia e do grande patronato para se reelegerem ano que vem. Ao contrário do que indicaria a lógica política, eles devem sim, levar a voto a proposta até o final deste ano.

O desafio que isso coloca para a classe trabalhadora e suas organizações é evidente. Neste ano tivemos vários momentos importantes de mobilização e, em todos eles a nossa classe deu mostras de que tem disposição de ir à luta para defender seus direitos. O que faltou em alguns momentos, na minha avaliação, foi uma postura mais firme das grandes organizações sindicais, das Centrais Sindicais.

Mas, independentemente das avaliações que cada setor faz deste processo, creio que é algo comum a todos o entendimento de que há disposição da classe trabalhadora de lutar para defender a sua aposentadoria, e de que há apoio na sociedade à esta luta. Ou seja, de que há condições para organizarmos uma Greve Geral no país para impedir a aprovação da reforma das aposentadorias.

E esta é, sem dúvida, a única forma de impedirmos a aprovação desta reforma neste momento. Se levamos o povo para as ruas, paramos o país – por um dia que seja – elevamos o patamar da crise política o que deverá inviabilizar as condições para que este congresso vote a reforma. As condições estão dadas, depende agora do que fizermos ou deixarmos de fazer.

As centrais sindicais divulgaram nota, depois das manifestações de 10 de novembro anunciando que chamariam uma paralisação nacional caso o governo colocasse em votação a reforma. Isso é importante. Mas não basta. É preciso preparar a Greve Geral, senão ela não sai. Todos somos dirigentes sindicais e sabemos que, quando queremos parar uma fábrica, temos de fazer assembleia, discutir com os trabalhadores a greve, mostrar as razões do movimento e a importância de ele acontecer.

O mesmo precisamos fazer para preparar a Greve Geral. Precisamos de material de divulgação, convocando a greve e mostrando suas razões. Precisamos – desde já – convocar plenárias nos estados e regiões para organizar o movimento, orientar a que todos os sindicatos realizem assembleias e votem a greve. Precisamos tomar iniciativas junto à sociedade para neutralizar minimamente a campanha da grande mídia a favor da reforma.

São tarefas para ontem. Nós, dirigentes, não podemos alegar desconhecimento sobre o que está acontecendo. Se o governo está pondo para andar a sua reforma da previdência, temos de colocar nas ruas a preparação da nossa Greve Geral. Já!

Zé Maria, metalúrgico, dirigente da CSP-Conlutas e presidente nacional do PSTU

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS

QUENTINHAS