PUBLICADO EM 15 de nov de 2018
COMPARTILHAR COM:
Colunista João Guilherme Vargas Netto

Brincar com fogo

Com sua experiência e bom senso os dirigentes sindicais não devem brincar com fogo nos arranjos do novo governo.

Até mesmo porque a vitória do bolsonarismo desencadeou uma onda forte, já previsível, de antissindicalismo.

Ao longo de sua campanha o presidente eleito jamais se aproximou do movimento sindical – embora como deputado federal tenha agido corporativamente em defesa de profissionais da segurança – e nem no movimento apareceram dirigentes de peso, simpáticos às suas pregações (o que seria uma contradição em termos).

As notícias, muitas das quais propositalmente embrulhadas e confusas, deixam entrever um reforço dos estragos que a recessão e a lei trabalhista celerada provocaram no movimento sindical e na representação dos trabalhadores.

Espostejamento do ministério do Trabalho (mesmo que se mantenha alguma coisa com este título), entrega da gestão dos recursos para o ministério da Fazenda e pressa na criação da carteira de trabalho verde e amarela demonstram com clareza as intenções do bolsonarismo: isolar o movimento sindical da vida de milhões de trabalhadores, aprofundando a desorganização nas relações de trabalho.

É hora de resistir e de unidade. As centrais e todas as direções sindicais têm se unido com estas orientações, propondo manifestações contra a deforma previdenciária e contra a desqualificação do ministério do Trabalho. É o que deve ser feito agora.

Qualquer aproximação, mesmo que sub-reptícia, da mesa onde se serve o banquete dos vitoriosos cria o prejuízo grave da divisão além de ser demonstração de fraqueza subserviente.

Disputar sobras desta mesa – e, sobretudo os pratos envenenados – não é atitude compatível com a experiência e o bom senso dos dirigentes sindicais.

O ditado popular afirma “quem brinca com fogo amanhece molhado”. Devemos nos manter secos.

João Guilherme Vargas Netto é consultor sindical

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS

  • Jamil Murad

    Boa opinião do companheiro João Guilherme. O pres eleito tem como fachada ser anti PT mas na verdade ele é anti trabalhador, anti mov sindical, anti política que amenize a exploração da sociedade capitalista.

QUENTINHAS