PUBLICADO EM 12 de out de 2020
COMPARTILHAR COM:
Colunista João Carlos Juruna

Irmão Sol, Irmã Lua, todos irmãos

 

Na encíclica, intitulada “Fratelli Tutti” (“Todos Irmãos”), o Papa Francisco reforça os valores que o fizeram adotar o nome de São Francisco de Assis.

De família rica, filho de um bem sucedido comerciante, São Francisco, que nasceu com o nome de Giovanni, abandonou o luxo quando retornou da guerra que Assis desenvolvia contra Peruggia por volta do ano de 1200.

Sua transformação é contada no filme Irmão Sol Irmã Lua, de 1972, do diretor Franco Zeffirelli. Depois de cair doente, ao voltar da guerra, Francesco, como era chamado pelos pais, começa a olhar o mundo com outros olhos: com iluminação divina. Ele não apenas observa, mas absorve a beleza da natureza, dos animais e da vegetação, o que faz com que os bens produzidos pelos homens percam para ele o sentido.

Em uma das cenas mais emblemáticas do filme Francesco visita os porões da propriedade de sua família onde várias pessoas amontoadas trabalham produzindo os tecidos para seu pai. São idosos, crianças, bebês, mulheres, homens, doentes e cansados vivendo em uma situação que choca o jovem herdeiro. Em outra cena ele aparece na igreja com a família, durante a celebração de uma missa. Ao olhar em volta Francesco sente-se incomodado por estar vestido ostensivamente, assim como a elite que ocupava os primeiros lugares em frente ao altar. Os pobres, por sua vez, todos maltrapilhos, enchiam o fundo da igreja em uma nítida separação social.

O jovem começa, então, a agir. Ele renuncia à riqueza e até mesmo ao nome da família e passa a se dedicar a construir uma simples capela para orar. Logo consegue seguidores. Ele acolhe os pobres em sua empreitada e prega que não era preciso luxo para se aproximar de Deus. Ao contrário, para ele, Deus estava na natureza e na simplicidade.

O filme também mostra uma peregrinação que Francesco e seus seguidores fazem à Roma. Em Roma ele pede uma audiência com o Papa que o recebe do alto da pompa que a igreja católica exibia naquele momento. No encontro com o Papa fica evidente o contraste entre uma igreja rica, soberba, poderosa e inacessível, e uma nova concepção de religião trazida pelo jovem Francesco, baseada na humildade, no acolhimento e no desprendimento.

Interessante que, além de abordar as desigualdades sociais já daquela época, anterior ao capitalismo, a vida de São Francisco, contada no filme, coloca o horror à guerra como um fator de transformação em sua vida. Neste sentido o filme, que foi lançado em 1972, funciona também como um manifesto antiguerra, uma vez que a Guerra do Vietnã era, naquele ano, uma ferida aberta e inflamada.

Nos dias de hoje o nosso Papa retoma um debate como este através de sua mais nova encíclica. Ele condena a dura realidade que o capitalismo impõe aos mais pobres e o responsabiliza por situações de guerras e intensos sofrimentos.

À exemplo do São Francisco de Zeffirelli o Papa mostra-se chocado com as condições a que são submetidos tantos trabalhadores idosos, crianças, bebes, mulheres, homens, doentes e cansados, e denuncia as hipocrisias daqueles que, na outra ponta, vivem uma vida de luxo e excessos.

As pregações de São Francisco de Assis fizeram dele um Santo com seguidores fiéis até os dias de hoje, 800 anos depois. Mas não impediu que o capitalismo se instalasse e crescesse condenando à miséria e à danação tantos e tantos filhos deste planeta Terra. Também não impediu guerras sangrentas como foi a Guerra do Vietnã.

Seus ideais humanitários, entretanto, estão presentes não apenas em segmentos da igreja católica. Estão presentes também em partidos políticos que se propõe a enfrentar as injustiças, em movimentos sociais, em manifestações artísticas e culturais, enfim, em todas as ações que partem do princípio da simplicidade, da humildade e da solidariedade e que enxergam nisso o sentido da existência.

E, embora a doutrina franciscana não tenha conseguido elevar o dom da vida ao patamar mais elevado das preocupações em nossa sociedade, ela nos presenteou com um Papa humanista e iluminado, que faz contraste e dá o exemplo da bondade, tão necessário hoje quando nos deparamos com as cada vez mais tênues fronteiras entre civilização e barbárie.

João Carlos Juruna Goncalves, 67, secretário geral da Força Sindical e vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, foi membro da Juventude Operária Católica (JOC) no período  de 1970 a 1979.

Fonte:  Poder360

Veja aqui a cena de Francesco conversando com o Papa

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS

QUENTINHAS