PUBLICADO EM 04 de jun de 2020
COMPARTILHAR COM:
Colunista Carolina Maria Ruy

A falsa horizontalidade das manifestações intermediadas pelas redes sociais

No intenso e desgastante debate sobre se manifestantes deveriam tomar as ruas, mesmo durante a pandemia, não faltam aqueles que alegam que não podemos apenas ficar em casa nos comunicando pelas redes sociais. Existe, nesta acusação, uma grande confusão entre a necessidade de ficar em casa, o que impulsiona os manifestantes a irem para as ruas e o papel das redes sociais.

Importante deixar claro que defendo que lutar contra o Bolsonaro hoje é lutar pela quarentena, pelo isolamento social, pela vida, e não sair para rua e dar os braços para a morte. Existem formas e formas de protestar. Causar aglomeração hoje, só ajuda o desgoverno fascista.

Dito isso, quero me ater à questão das redes sociais e como sua influência vai para muito além do nosso sofá.

É um engano pensar que atos como o que ocorreu dia 31 de maio, na Avenida Paulista, dispensam as redes sociais. Não só não dispensam, como estão tão ou mais amarradas a elas quanto quem “ficou apenas em casa”. Isso porque estas manifestações sem liderança política conhecida e organizada são, justamente, resultado da ampla abrangência das articulações virtuais. Elas são organizadas, infladas, repercutem e geram engajamento através de postagens e viralizações.

Não é algo ruim em si. Não compreender esse mecanismo é o problema. Problema porque as manifestações organizadas desta forma sustentam uma aura de espontâneas, voluntárias e sem intermediários, quando, na verdade, são intermediadas por empresas como Facebook e Twitter. Isso é uma grande armadilha, uma vez que reforça a campanha de negação e desmoralização dos partidos e movimentos sociais, sobretudo o movimento sindical, travada com afinco pelo establishment.

Assistimos aqui no Brasil, em 2013, um fenômeno inédito no qual milhões de brasileiros foram para as ruas. Se inicialmente o protagonismo pode ser atribuído ao Movimento Passe Livre, em algum momento a situação fugiu do controle, passando a consistir em um movimento horizontal sem nenhuma liderança. Assim como no Brasil, os Coletes Amarelos, na França, os grandes levantes no Chile, etc, estão concatenados pelo potencial que se abriu com a disseminação dos smartphones e aplicativos de comunicação. É perigoso, entretanto, prescindir de comando, experiência e planejamento. Tanto é perigoso que, a despeito da grandiosidade destes eventos, o que se verificou desde 2013 não foi a ascensão de governos populares. Pelo contrário, o que cresceu foi uma direita retrógrada e fascista que pensávamos que estava enterrada desde a redemocratização de 1985.

Esta falsa horizontalidade reforçada pelas facilidades proporcionadas pela internet atende, desta forma, a um projeto de destruição de instituições democráticas e sociais que tradicionalmente organizam e reportam manifestações populares. Tais instituições, que abrangem os partidos, os sindicatos, a imprensa, os poderes, entidades de classe, etc, devem ser questionadas, criticadas e aprimoradas sim, mas devem, antes de tudo, ser assimiladas e apropriadas pelo povo, não destruídas.

Elas são mais representativas uma vez que baseiam suas ações em um grande debate interno e em um constante processo de construção. Por isso mesmo não podem valer-se de soluções apressadas e enganosas. As redes sociais, por sua vez, com sua infinita capacidade de produção de manifestações, não assumem compromissos políticos e sociais.

O jogo fica claro quando, no dia 31 de maio, início das mega manifestações nos EUA em protesto ao assassinato de George Floyd, o dono do Facebook, Marck Zuckerberg, lançou uma nota de apoio aos protestos em sua página oficial e, por outro lado, foi permissivo com relação às declarações inflamadas do presidente Donald Trump, mesmo após o Twitter ter adicionado etiquetas aos tuítes de Trump, dizendo que ele estava incitando a violência ou fazendo declarações falsas. Isso confirma uma prática, apontada por Julian Assange no livro Quando o Google encontrou o Wikileaks, de manter relações com todos os lados envolvidos.

Concluo que não podemos nos dar ao luxo de abrir mão da internet como uma poderosa ferramenta de organização, comunicação e ação política, mas precisamos ter o senso crítico necessário para sermos apenas consumidores e não nos deixar consumir por ela.

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS

  • Rita de Cassia Vianna Gava

    Muitas vezes as instituições (políticas,sindicais,educacionais,públicas…se colocam como donas da realidade, …mas não são.
    Portanto as coisa acontecem, simples assim, hoje foram as torcidas organizadas, amanhã, quem sabe. Até onde vi; há um apoio do PSOL. Ninguém sabe qual será o resultado, mas é preciso reconhecer as ondas os movimentos. A vida é dinâmica não estática, como querem muitas instituições

QUENTINHAS