PUBLICADO EM 06 de set de 2021
COMPARTILHAR COM:
Colunista Paulo Henrique Viana, Paulão

7 de setembro e o Apocalipse ideológico!

Há tempos que o povo brasileiro tem como prática se manifestar quando algo não vai bem na economia, na política, até na sociedade. A história do Brasil é contada por inúmeros episódios de manifestações, onde sempre houve grupos interessados pela pauta em questão, para isso, esses grupos sempre movimentaram as massas com o objetivo de alcançarem seu pleito ou suas reivindicações, mas depois de alcançados os objetivos, as massas nunca foram chamadas para participarem dos ganhos ou das vitórias.

Com o passar dos tempos, as manifestações sofreram transformações de vários caracteres, a principal delas, e a que mais está em evidência é IDEOLÓGICO FUNDAMENTALISTA, pois, hoje as manifestações deixaram de ter cunho político social, e passaram para o extremismo ideológico; como que é isso?

Estamos passando por um momento onde, líderes religiosos, usam o nome de Deus para justificar o ódio que está dentro de si, pedem para que seus fiéis não tenham complacência com seus supostos adversários, artistas de grande expressão midiática, propõe que trabalhadores invadam instituições de poderes constituídos em uma democracia, e que estes os deponham pela força ou pela morte, líderes políticos induzem a sociedade e a população a usarem armas de fogo para qualquer evento onde forem contrariados, enfim, estamos vivenciando o “vale tudo”, de todos contra todos.

O que chama a atenção é que o Brasil, passa pela pior crise sanitária de sua história, a Covid-19; o Brasil tem até o dia de hoje, cerca de aproximadamente 583 mil mortos, são brasileiros que pagaram com sua vida essa trágica doença, sem dizer de tantos outros intempéries que o povo brasileiro vem vivendo, um pouco disso, é o número de trabalhadores desempregados , os números são alarmantes , pois já ultrapassam os 15 milhões de pessoas e ainda, estamos convivendo com uma grave crise alimentar, onde milhões de pessoas passam ou por insegurança alimentar ou pela falta dela em integralidade; com tudo isso acontecendo, percebe-se, que as manifestações no Brasil, estão direcionadas para causas pessoais e individualistas, onde, as reivindicações são de “quem” é a favor e de “quem” é contra, sempre “quem” mas nunca sobre as questões coletivas.

No Brasil, o dia 07 de setembro é comemorado a Independência do Brasil dos domínios de Portugal, uma data para se comemorar um processo de liberdade e autonomia de um povo, sim! Este era o 7 de setembro. Este ano, esta data está passando por uma revisão moral e ideológica, pois as redes sociais e as lideranças violentas, querem promover uma manifestação dos prós X os contras.

Pelas falas dos organizadores deste evento, cerca de 1 milhão de pessoas, poderão estar presentes na avenida Paulista, na cidade de São Paulo, isso sem contar em outras cidades, em outros estados, e ao que tudo indica, muita gente irá, munida de ódio, mágoas, rancores, e tudo quanto forem sentimentos ardentes, há isso dos dois lados.

Um dia o líder negro americano Martin Luther King, disse que tinha um Sonho (I have a dream), em seu discurso, trechos falavam da pacificação entre negros e brancos; já por aqui os sonhos são todos em outra direção, a de banir o seu opositor, banir o seu diferente, banir os que não gostam das mesmas coisas e não convergem ideologicamente.

Diante disso, com esse cenário de disputas, por que esses 1 milhão de pessoas que supostamente estarão na avenida Paulista e no Anhangabaú não dão um fim nessa história? E passem a fazer parte da história, pois, a oportunidade de aparecer um mártir, é grande.

Lá, no 7 de setembro, o que não vai faltar serão “patriotas”; neste momento poderiam fazer um ato humanitário, chamando o outro lado para um confronto mortal, para um combate infante, sem regras, onde todas as armas fossem permitidas, seria um Apocalipse ideológico, com muitos mortos, a ponto de superarem a desprezível marca da Covid-19, ignorada por seus líderes.

Sonho com um encontro épico, nas proximidades da avenida Consolação X praça Charles Miller, onde seria o confronto de todos X contra todos, o confronto dos prós X os contras, enfim, sempre torcendo para que a letalidade dos grupos, se dê de forma brutal. Só assim, acho que as manifestações começariam a fazer algum sentido, pois os grupos que tem interesse nestes eventos, sentiriam que teriam alcançado seus objetivos.

Ainda temos várias recomendações que podem ser feitas para quem se dispuser a lutar fielmente neste fatídico 7 de setembro, por exemplo; rasguem a Constituição federal em seu capítulo onde fala do artigo 5°, logo estarão munidos de argumentos para se armarem até os dentes e irem a Guerra Santa ideológica, usem de todos os subterfúgios e sigam em frente,

Coloquem todas suas mágoas pra fora, deixem que seu ódio pelo ser oposto os transformem em grandes guerreiros da Pátria, transformem-se em grandes justiceiros de nossa nação, e por fim, façam bem esse papel, atirem pra matar, não poupem sua ira, e que no final de mais uma manifestação dos prós X contras, o número de baixas seja realmente relevante, pois assim muitos entrarão para a história, outros serão mártires de si próprios e muitos estarão cumprindo o desejo daqueles que necessitam do poder a qualquer preço a qualquer custo!

Feliz Dia da Independência!!!

Paulo Henrique V. Cruz

 

As opiniões expostas neste artigo não refletem necessariamente a opinião do Rádio Peão Brasil

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS

QUENTINHAS