Colunista Eusébio Pinto Neto

Liberdade de expressão não é liberdade de agressão

Na semana passada, um playboy delinquente e almofadinha que se beneficia da exploração da miséria humana, atacou a democracia e a soberania do país. Elon Musk desafiou o poder judiciário ao fazer acusações inverídicas e produzir Fake News contra um ministro do Supremo Tribunal Federal.

Seguridade Social uma questão de humanidade

Antes de completar cinco anos, os defensores da Reforma da Previdência começaram a pressionar para que novas alterações no sistema previdenciário brasileiro sejam implementadas. A proposta, amplamente divulgada pela mídia na semana passada, e por um grupo de economistas que se dedica a criar consensos falsos, atende às necessidades do mercado financeiro.

SINPOSPETRO-RJ: da liberdade à conscientização

O ideal de um mundo mais democrático, justo e inclusivo foi o que me motivou a lutar em defesa dos direitos dos trabalhadores de postos de combustíveis e de lojas de conveniência de todo o país.

Um navio para o futuro

A organização sindical contra o retorno da chibata

O neoliberalismo ludibriou milhares de trabalhadores que elegeram para o Congresso Nacional parlamentares que estão a serviço dos exploradores de mão de obra. Hoje, estamos reféns dessa corja que insiste em pautar projetos que proíbem a contribuição obrigatória aos sindicatos. Isso demonstra, claramente, que a luta pela liberdade sindical no Brasil está longe de acabar. […]

Caminho aberto à exploração

A decisão do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) de permitir o trabalho aos domingos e feriados para as categorias essenciais é um grande retrocesso. O ministro Luiz Marinho abriu uma brecha para negociar a questão com os conglomerados econômicos que atuam no setor de comércio.

Na luta por um futuro melhor

Carnaval aquece a economia e promove a integração social

Não é de hoje que se diz que o ano começa após o Carnaval. A lenda não se adequa à realidade do trabalhador brasileiro. A celebração não é apenas uma expressão da nossa identidade cultural, mas também uma força econômica poderosa que molda as cidades, promove o turismo e gera renda. O Carnaval tem um impacto mais amplo que a diversão, desempenhando um papel crucial na geração de emprego e abrindo uma grande variedade de oportunidades para os trabalhadores.

Fortalecer os laços em prol da manutenção do emprego

É hora de unir e celebrar

O muro da desigualdade

Sob batuta de Lula, economia cresce mesmo com juros elevados

Violência no trabalho, o lado obscuro da escravidão

Sindicato forte: mais direitos, menos desigualdades

Superar as desigualdades no mundo do trabalho

Transição justa no mundo do trabalho depende de um sindicalismo forte

A voz da classe operária

A organização da classe operária por meio do movimento sindical permitiu que os trabalhadores alcançassem direitos que jamais seriam conquistados sem luta e resistência. A democracia se constrói com a igualdade de direitos, logo, é indispensável que o trabalhador se levante contra a exploração. Na semana em que a Constituição Federal, considerada uma das mais avançadas do mundo, completou 35 anos, a cidade de São Paulo parou.

O Brasil está de volta

Se a Assembleia Geral da ONU fosse uma prova, não hesitaria em afirmar que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva gabaritou todas as questões. Ao subir à tribuna, Lula mostrou a potência diplomática do país e falou com a legitimidade de um estadista. Em nove meses de governo, o mundo já percebe o Brasil como uma nova nação, onde o respeito e a democracia reforçam o processo de reconstrução social.

O levante dos trabalhadores no império americano

Movimento sindical: na luta por direitos e igualdade social

Desde que o Supremo Tribunal Federal formou maioria pela constitucionalidade da cobrança da contribuição assistencial dos trabalhadores, sindicalizados ou não, o movimento sindical tem sido constantemente atacado. Os veículos de comunicação, que são patrocinados por grandes grupos econômicos, tentam desacreditar a atuação dos sindicatos.

Valorização do salário mínimo reduz desigualdade social

Dentre as políticas de redistribuição, o programa de valorização do salário é o mais importante para reduzir a pobreza e as desigualdades sociais. Além de ter um impacto positivo no mercado de trabalho, o programa movimenta a economia, garante o acesso a serviços e melhora a qualidade de vida da população. O projeto de lei sancionado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva na semana passada faz parte da pauta de reivindicações da Conclat. Esta é uma conquista do movimento sindical.

O papel do movimento sindical na nova conjuntura do país

Compreender o momento político, econômico e social do país é fundamental para a reestruturação dos movimentos de classe. O sindicalismo deve se posicionar e atuar como agente direto do processo de reconstrução do tecido social esgarçado por Temer e Bolsonaro, que reduziram direitos e desrespeitaram a dignidade humana. Os movimentos sociais e os sindicatos, que fomentam a luta de reivindicações e resistência, precisam trabalhar incessantemente para reconstruir o Brasil.

É hora de desmontar a armadilha e exigir a redução da taxa de juros

Amanhã, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva completará sete meses de governo. Muitos pensaram que ele fosse dar com os burros n' água, afinal assumiu um país em ruínas. Contrariando as expectativas dos abutres, que se alimentam da miséria do povo, Lula não apenas ultrapassou o rio, como também está construindo uma ponte para o futuro. O presidente encontrou uma terra devastada, mas soube arar e, agora, inicia-se a boa colheita. 

A ganância que mata

Dentre tantos riscos e violências a que os trabalhadores de postos de combustíveis estão sujeitos, o metanol é o mais grave e perigoso. Embora a legislação brasileira proíba a mistura do metanol à gasolina e ao álcool, empresários inescrupulosos estão tornando essa prática comum em todo o país. Como presidente da Federação Nacional dos Frentistas e representando 500 mil trabalhadores, repudio e luto para que esses comerciantes sejam punidos, não apenas com multas e processos administrativos, mas também pela justiça, com todo rigor.

Bons ventos levam a economia do país para um porto seguro

O movimento sindical resistiu aos ataques dos governos Temer e Bolsonaro e conseguiu resgatar a sua história de luta ao eleger o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Como nordestino, tenho orgulho de fazer parte deste projeto progressista, que aos poucos reconstrói a nossa nação devastada pela miséria, a especulação econômica e o extremismo da direita.

As encruzilhadas do mundo

O homem evolui e a economia do mundo se modifica através do sofrimento e da luta. A humanidade tem fases cíclicas, por vezes são favoráveis, noutras de extrema dificuldade. O nosso porto nunca estará seguro, uma vez que estamos sujeitos à influência do tempo, que varia de acordo com as causas e consequências, e se impõe acima das capacidades humanas.

Organização da categoria é um direito constitucional

Banco Central corta na carne do brasileiro para alimentar os abutres do mercado financeiro

Justiça Social é uma prioridade para todos

Durante duas semanas, representantes de governo, dos trabalhadores e dos empregadores de 187 países debateram, em Genebra, na Suíça, o mundo do trabalho com Justiça Social. Tive a oportunidade de representar os frentistas e os trabalhadores brasileiros na 111ª Conferência Internacional do Trabalho, a convite da Força Sindical. Além dos debates nas sessões plenárias, o intercâmbio sindical, que permitiu a troca de experiências com trabalhadores de diferentes países, me fez perceber a complexidade da proposta de uma Coalizão Global para Justiça Social, dada a dificuldade de conciliar interesses econômicos, religiosos e culturais de diversas nações.

Do protesto nas ruas às manifestações digitais

Os protestos de junho de 2013 deixaram uma herança maldita que remeteu o país a retrocessos democráticos claramente visíveis no governo Bolsonaro. O movimento, que começou com as manifestações de rua contra o reajuste da passagem do ônibus, tomou rumos inimagináveis e, por pouco, não nos perdemos.

A história é escrita com luta

Arcabouço fiscal: a transformação da mais-valia

Fim da paridade por mais igualdade social

Reforma trabalhista: a hora de reparar o erro

A cadeia improdutiva dos juros

Cem dias de avanços e paz

Para evoluir, precisamos de uma causa que nos faça lutar todos os dias. Procuro fazer a minha parte neste planeta, lutando diariamente contra a injustiça, a miséria e a desigualdade social. Defendo a ideia de um mundo com oportunidades para todos, sobretudo no mercado de trabalho.

Vozes do silêncio

O uso constante da internet expõe crianças e jovens a uma rede de sedução, que pode se tornar fatal. Na semana, em que o massacre na escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, completa 12 anos, precisamos repensar a educação, para que nossos filhos e netos não sejam tragados e moldados pelo novo mundo virtual. O atentado, ocorrido em 7 de abril de 2011, matou 12 adolescentes e deixou mais de 20 feridos. E mesmo, assim, não aprendemos com esse trágico acontecimento.

O Legado sombrio da escravidão

Criador e criatura

Um ministério forte

A taxação da miséria

Na semana passada a grande mídia, que está a serviço do capital, fez um carnaval com as declarações do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que criticou o aumento das taxas de juros no Brasil. Baseada em pesquisas do mercado financeiro, maior beneficiário da medida, a imprensa fez terrorismo econômico para atacar o projeto progressista do governo, que visa atender os pobres e os trabalhadores.

É hora do frentista mostrar a sua força

O despertar do novo dia

O presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, e o seu vice, Geraldo Alckimin, serão diplomados hoje no Tribunal Superior Eleitoral para alívio do Brasil. Com a cerimônia, vamos frear o avanço da ignorância, da intolerância e do fanatismo que tomaram conta do país nos últimos quatro anos. O ato põe um fim no processo eleitoral e confirma o resultado das urnas.

O trabalhador como protagonista do País

A eleição de Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente que realmente representa o povo brasileiro, traz alívio para os trabalhadores, que sofreram com os ataques e a retirada de direitos nos últimos cinco anos. As conquistas obtidas pela classe operária nos governos do PT, incomodaram, e muito, as oligarquias, que querem manter o sistema escravocrata. Felizmente conseguimos quebrar as correntes e vencer o avanço do fascismo.

O Brasil de volta ao eixo

A democracia venceu! O Brasil feliz de novo!

Tolerância zero com o assédio!

Na balança da democracia só há um peso, o da consciência

Estamos chegando ao fim da eleição mais emblemática do país. Desde a redemocratização, nunca, na história do Brasil, houve tanta polaridade com insultos, abuso de poder econômico e principalmente fake News. Neste momento, é preciso ter consciência e, principalmente, comprometimento com a democracia. Não estamos assistindo a uma partida de futebol, com torcidas em lados opostos. O que está em jogo é o futuro do país, por isso precisamos sair da acomodação. Mais de 32 milhões de eleitores deixaram de votar no primeiro turno, só no Rio de Janeiro foram quase três milhões. A atitude de lavar as mãos como fez Pilatos pode trazer consequências sérias à classe trabalhadora e para os pobres.

O Brasil do futuro não pode repetir os erros do presente

O Brasil que desperdiça 27 milhões de toneladas de alimentos por ano é o mesmo, onde três em cada dez famílias não têm acesso suficiente a comida e passam fome. As crianças são as principais vítimas dessa triste estatística. A fome atinge hoje 37,8% dos lares com crianças de até dez anos, de acordo com estudo da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar (PENSSAN).

Brasil o reverso da história

O gás que explode e mata

Como assim? Basta observar as recentes explosões por Gás Natural Veicular (GNV), todas graves e uma delas com a morte de um frentista. O companheiro Alyf Cruz Santana, de 21 anos, em São Pedro da Aldeia, no Rio de Janeiro.

O voto secreto da fome na urna da esperança

A largada para campanha eleitoral 2022 foi dada na semana passada e, agora, cabe a nós brasileiros escolhermos o novo Congresso, as assembleias legislativas e, principalmente, o presidente que vai governar o Brasil nos próximos quatro anos. O desmonte social e econômico do governo Bolsonaro lançou milhares de brasileiros ao planeta fome — lugar obscuro onde não há comida, emprego, direitos, moradia, assistência social, saúde e educação. O Brasil retrocedeu três décadas em três anos e oito meses de governo. O pobre ficou miserável, a classe média encolheu e os investidores do mercado financeiro continuam nadando de braçada.

A pirotecnia eleitoral de Pinóquio e a ameaça à democracia

Candidaturas sindicais

É natural na democracia que setores sociais organizados procurem eleger seus representantes, especialmente nas Assembleias Legislativas e Câmara Federal. Por exemplo: indústria, comércio, agronegócio, igrejas e o sindicalismo também.

Por um mínimo de dignidade

O barato sai caro sempre para os mais pobres, principalmente, porque não há almoço de graça. A conta sempre chega e no Brasil de políticos ilusionistas a gente sabe quem é que paga a dívida no final. Na corrida pela reeleição, Bolsonaro atropelou a lei eleitoral e até a Constituição e tudo com a chancela do Congresso Nacional.

O pão nosso de cada dia

Brasileiro paga caro pelas trapalhadas do governo Bolsonaro

Em casa onde falta pão, todos brigam e ninguém tem razão. A sabedoria evidenciada no provérbio popular mostra a balbúrdia promovida pelo governo Bolsonaro no país. A crise dos combustíveis afeta principalmente os mais pobres, considerando que os sucessivos aumentos impactam diretamente nos preços de todas as mercadorias, elevando assim os índices da inflação.

A infância roubada pelo governo Bolsonaro

O estupro sofrido por uma menina de onze anos, em Santa Catarina e a consequente gravidez gerou um grande debate, na semana passada, e nos faz questionar sobre o futuro que queremos para os nossos filhos e netos. O ataque a República promovido pelo governo Bolsonaro vai deixar para as futuras gerações um legado de abandono. Com o desmonte das políticas públicas e o retrocesso, as crianças se tornaram as maiores vítimas do desamparo social.

A indignação contra a barbárie é um ato em defesa da vida e da democracia

A imponente Floresta Amazônica, tão cortejada pelo mundo e cobiçada e explorada por grupos criminosos, mais uma vez, virou cenário de um crime bárbaro. O assassinato do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips chocou o mundo pela covardia e atrocidade. Bruno, que trabalhou anos na Funai como respeitado especialista em comunidades indígenas, estava auxiliando Phillips, que iria publicar um livro sobre a Amazônia.

Frentistas em alerta contra o self-service

Os trabalhadores em postos de combustíveis de todo o Brasil – Frentistas, por meio de seus Sindicatos e Federações, estão mobilizados contra a emenda à Medida Provisória 1.063/2021, apresentada pelo deputado Kim Kataguiri (DEM-SP). O objetivo da emenda é liberar o autosserviço (self-service) de combustíveis, o que ameaça diretamente os empregos de mais de 500 mil trabalhadores do setor.

30 anos da Força Sindical, na vanguarda da luta democrática

Petrobras no paredão

A reforma trabalhista e sindical de 2021

A marcha da desregulamentação dos direitos dos trabalhadores, que o governo Bolsonaro foi forçado a desacelerar por causa da pandemia, vai voltar à velocidade máxima no ano que vem. Logo no início de 2021 serão retomados os trabalhos do Grupo de Altos Estudos do Trabalho (GAET), sob coordenação direta do banqueiro e ministro Paulo Guedes, para propor uma nova reforma trabalhista e sindical.

O despertar necessário

A reforma trabalhista e sindical imposta no governo Temer criou um armadilha para o movimento. O atual modelo de custeio, baseado somente na autorização do trabalhador, permite que mesmo aqueles que não autorizarem os descontos se beneficiem, de graça,