PUBLICADO EM 25 de set de 2023
COMPARTILHAR COM:

A greve automobilística nos EUA contra a desigualdade

Greve automobilística nos EUA: Os membros do #UAW Local 573 (Região 2B) em Cleveland, OH, estão prontos para se levantar! Foto: Facebook UAW

Com horas para que os contratos com três grandes empresas de carros de Detroit – Ford, GM e Stellantis/FiatChrysler – expirem no final de 14 de setembro, o Presidente do UAW, Shawn Fain, revelou uma estratégia de “greve de pé”, de ter locais selecionados em greve em plantas selecionadas em cada das empresas automobilísticas.

E, se as empresas de carros não voltarem a si e concordarem com novos contratos lucrativos cobrindo os 150.000 trabalhadores – pactos para compensar por 15 anos de estagnação salarial, sistemas de pagamento de dois níveis e cortes em benefícios de saúde e pensões – mais e mais locais entrariam nos dias seguintes, ele disse.

Fain passou parte da sessão de informação em vídeo de 75 minutos com milhares de membros na noite de quarta-feira colocando o conflito entre as empresas de carros e os trabalhadores em termos de classe. Ele não fez rodeios.

“Eu quero que nós nos levantemos contra a ganância corporativa”, ele declarou. “É a classe trabalhadora versus a classe bilionária”.

“Essa é uma greve de pé contra a desigualdade massiva”, assim como as históricas e bem-sucedidas greves sentadas dos anos de 1930, ele adicionou.

Fain expôs a estratégia de greve em uma sessão sindical, que foi ao ar em 13 de setembro, no Facebook. Uma sessão de vídeo de acompanhamento, marcada para a noite de 14 de setembro, vai listar os primeiros locais a sair caso as negociações não levem a lugar nenhum.

E, pelo que Fain disse no resto desse vídeo, essa saída é provável.

Distantes em dólares

Dólares, ou a falta deles, são a principal questão, e os dois lados ainda estão distantes. Mas, como uma jovem trabalhadora do UAW disse mais tarde, os trabalhadores sofrem com as condições dentro das plantas, também.

Essas condições incluem 12 horas por dia de trabalho de movimento repetitivo excruciante, horas extras obrigatórias, intervalos tão curtos – 10, 10 e 20 minutos – que quase não há tempo para correr até o banheiro, horas extras obrigatórias e trabalho obrigatório a cada terceiro domingo, também.

A jovem trabalhadora disse ao People’s World que ela começou há um ano ganhando $16,25 dólares por hora por causa do sistema de dois níveis, que o UAW está tentando eliminar. Um ano depois ela está fazendo $17,25 dólares por hora, um salário que é menos do que muitos trabalhadores em fast-food ganham. As regras atuais não permitem que ela tenha aumento por oito anos.

Um trabalhador no nível mais alto que faz o mesmo trabalho perto dela na linha é pago duas vezes mais do que ela.

Ela tem apenas 55 segundos para pular no veículo passando por ela na linha e desempenhar várias tarefas no veículo, incluindo conectar cabos importantes. A empresa devia permitir mais tempo para fazer o que ela tem que fazer no veículo, ela disse. Pular para dentro e para fora veículo após veículo está devastando seus joelhos, ela disse.

Imediatamente após que os 55 ou 60 segundos terminam, ela tem que pular no próximo veículo e repetir as mesmas tarefas, repetidas vezes, por 12 horas cansativas com apenas três intervalos por dia, dois de 10 minutos e um outro de 20 minutos. “É uma longa caminhada, 5 minutos a caminho do banheiro”, ela disse, “e o mesmo para a cantina, então muitos tentam evitar deixar nossas estações completamente, as pessoas deitam nos carrinhos perto da linha apenas para descansar um pouco”.

Ela descreveu como os trabalhadores são escritos como “ausentes” no dia que eles voltam de uma falta. Resumidamente, a ideia empurrada na mídia de direita que os trabalhadores automobilísticos são “mimados” e já tem muitas compensações, é totalmente falsa.

As Grandes 3, disse Fain, propuseram cortar essa progressão em dois níveis para quatro anos. Os chefões das empresas automobilísticas estão tentando evitar desistir do sistema de dois níveis.

Fain reportou pouco progresso em questões econômicas. Para compensar as perdas passadas, o UAW quer aumentos de maneira geral de pelo menos 41% em quatro anos, restauração dos aumentos do custo de vida – forçados a sair quando a administração Obama montou um pacote de resgate para as então falidas GM e FiatChrysler – aumentos de pensão para aposentados, que não tiveram aumento em uma década, e cuidados de saúde melhorados, entre outros objetivos. As demandas monetárias do sindicato são minúsculas, quando comparadas com as enormes quantias de dinheiro sendo arrecadadas pelos executivos das empresas, dinheiro que eles puderam usar para encher seus bolsos, às custas de concessões que eles obtiveram dos trabalhadores no passado.

As empresas ofereceram aumentos de entre 17,5% (Stellantis) e 20% (Ford) a cada quatro anos e meio, mais bônus de assinatura único. A participação nos lucros diminuiria 21% sob a proposta da Ford e 29% sob a da GM. A Stellantis não tinha apresentado uma proposta até a última noite.

As empresas resistem a concessões para os trabalhadores

As empresas também não se mexeram para acabar com as horas extras obrigatórias ou restaurar os Ajustes de Custos de Vida, conhecidos como COLA. Sua maior concessão econômica até agora é adicionar o décimo de junho como um feriado. Ninguém mencionou os longos turnos, e as empresas desligaram a demanda do UAW para ganhar tempo para a família dos trabalhadores, via semanas de 32 horas, por pagamento de 40 horas.

Ainda a grande mídia repete pontos de discussão das empresas automobilísticas de que eles ofereceram ao UAW os melhores contratos de todos os tempos. Ou ela torce a história chamando o UAW de ambicioso ou, na NBC, prevendo que uma greve faria aumentar os preços dos carros, então encontrando um distribuidor para dizer isso, sem maiores investigações.

A resposta de Fain: “Confie no seu sindicato” para dizer a verdade sobre as demandas dos trabalhadores e as respostas das empresas.

Os membros do UAW não concordam com a inclinação da grande mídia. Longe disso. E um trabalhador veterano da Ford e uma vez líder sindical local adicionou que o humor no chão de fábrica é que os trabalhadores estão prontos e militantes.

Nos últimos 10-15 minutos da transmissão, Fain percorreu os comentários transmitidos no chatbox da sessão de vídeo. Centenas escreveram a favor de entrar em greve em todas as três empresas em todas as suas plantas, tudo ao mesmo tempo, se não houver contratos novos e aceitáveis pelo prazo final de 23h59, Hora do Leste, 14 de setembro.

Fain agradeceu as demandas dos comentadores, mas explicou que o comitê de negociação inteiro do sindicato, que esteve presente em todas as sessões com as 3 de Detroit, concordou que a estratégia “Levante pelos trabalhadores! Levante pela América”! foi a melhor rota para seguir. E houve relatórios noturnos sobre os progressos nas negociações, ou a falta disso, uma mudança das ações dos líderes anteriores do UAW.

“Eu vejo as pessoas querendo sair de uma vez”, disse Fain. “Isso ainda é uma opção… Nós podemos entrar em greve em todas as Grandes 3 de uma vez. Mas, se você não foi chamado para entrar em greve, continue a trabalhar até que você seja.

O ponto, ele diz, é manter as empresas de carros desequilibradas, imaginando quais plantas o UAW vai chamar para a greve em seguida. Fain disse aos locais que não estavam na lista da greve inicial para ficarem prontos, e enquanto isso participarem em comícios e linhas de piquete onde eles podem, e outros atos pró-trabalhador.

“Essa é uma decisão por muitas pessoas, que estão em suas equipes, tentando descobrir a melhor maneira para traçar estratégias” para fazer novos e generosos contratos ocorrerem, ele disse.

A nova estratégia é uma de várias inovações que Fain e sua equipe de reforma instituíram no UAW, desde que eles assumiram o influente sindicato cinco meses atrás. A outra são reuniões de massa, tanto nas plantas como via vídeo, para manter os membros constantemente informados e engajados em questões que estão os forçando a saírem para as linhas de piquete. Antigos líderes do UAW mantinham as negociações atrás de portas fechadas e contratos sob sigilo até apresenta-los aos trabalhadores como produtos finalizados.

Fain tinha um outro ponto: as empresas de carros ganharam $251 milhões de dólares em lucros no último contrato e os lavraram recompra de ações para investidores de Wall Street e salário anual multimilionário e vantagens para os chefões corporativos, não para os contracheques dos trabalhadores.

Os membros do sindicato merecem sua parte justa dos lucros que eles fizeram para as empresas de carros.

Essa não é apenas sua opinião, Fain declarou. Em demonstrações de solidariedade, é a dos membros.

Mark Gruenberg é jornalista e chefe do escritório de Washington D.C. do People’s World.

John Wojcik é editor-chefe do People’s World.

Fonte: People´s World

Tradução: Luciana Cristina Ruy

Leia mais:

Cinco razões para a greve na Indústria Automobilística dos EUA

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS

QUENTINHAS