PUBLICADO EM 18 de out de 2017
COMPARTILHAR COM:

Presidente chinês defende reformas na economia em congresso do Partido Comunista

Em Pronunciamento durante encontro nesta terça-feira (18), o presidente chinês, Xi Jinping, defendeu a continuidade das reformas econômicas para que a China seja uma economia moderna; “é necessário implementar em todos os setores um sistema de listas negativas (que estipulam claramente áreas da economia vetadas no exterior) no acesso ao mercado chinês, respaldar o desenvolvimento das empresas privadas e ativar os agentes do mercado”, disse

O secretário-geral do Partido Comunista da China (PCCh) e presidente do país, Xi Jinping, propôs hoje (18) continuar as reformas para que o país seja uma economia moderna com maior presença das forças do mercado.

O objetivo das “taxas de juros e de câmbio de serem mais baseados no mercado” foi um dos principais pontos financeiros de Xi em seu discurso de abertura do XIX Congresso do PCCh.

Além disso, ele se mostrou a favor de flexibilizar o acesso ao investimento estrangeiro, abrir os mercados e fortalecer a proteção da propriedade intelectual, pontos que foram expressados pelos principais parceiros econômicos da China, como a União Europeia e os Estados Unidos.

Xi Jinping disse que “é necessário” implementar em todos os setores um sistema de listas negativas (que estipulam claramente áreas da economia vetadas no exterior) no acesso ao mercado chinês, “respaldar o desenvolvimento das empresas privadas” e ativar “os agentes do mercado”.

Presidente quer evitar riscos financeiros

Ele também destacou o objetivo de melhorar o sistema de supervisão e controle financeiro para “evitar a aparição de riscos financeiros”.

Sobre o setor das empresas estatais, Xi deseja continuar com o atual processo de reformas (que ele chamou de “reorganização estratégica”), a fim de desenvolver “empresas de classe mundial mundialmente competitivas”.

Além disso, ele considera abrir estas empresas ao capital privado, observando que é necessário desenvolver companhias de “propriedade mista” público-privado, embora não tenha falado sobre privatizações.

O líder comunista chinês também indicou o compromisso de realizar uma profunda reforma tributária para dar origem a “um sistema fiscal moderno”, com uma clara divisão de competências e obrigações entre as administrações centrais, provinciais e locais.

Fonte: Agência Brasil

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS

QUENTINHAS