PUBLICADO EM 27 de Maio de 2020
COMPARTILHAR COM:

Embraer: Metalúrgicos de São José dos Campos realizam ato virtual pela reestatização da empresa

O Sindicato dos Metalúrgicos de São dos Campos e Região realiza, nesta quarta-feira (27), um ato virtual pela reestatização da Embraer. O ato marca o lançamento oficial de uma ampla campanha pela reestatização da empresa e será transmitido pelo site do Sindicato e também no Facebook e Instagram da entidade.

por Fábio Casseb

Durante a live vários materiais, entre eles a cartilha “10 motivos para reestatizar a Embraer”, serão apresentados na live. Além da cartilha, foram produzidos vídeos, cartazes, outdoors e um hotsite que reunirá todo o material da campanha.

Luiz Carlos Prates (Mancha), secretario nacional da CSP-Conlutas e dirigente do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região – Foto: Reprodução do Youtube

De acordo com Luiz Carlos Prates (Mancha), secretário nacional da CSP-Conlutas e dirigente do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região, o ato contará com a participação de diversas lideranças sindicais, políticas e personalidade que acompanham a Embraer. “Fizemos um chamado para que entidades sindicais, organizações, movimentos e ativistas compartilhem, participem e apoiem o ato em suas páginas ou façam compartilhamento cruzado”, para fortalecer a nossa mobilização.

O sindicalista alerta que a luta pela reestatização da Embraer foi retomada recentemente. “É a única maneira de defender os empregos e a soberania do País”, diz o sindicalista que defende que o Estado deve reassumir o controle da empresa com a participação dos trabalhadores.

O sindicalista lembra que a Embraer é estratégica para o País e foi vendida para a Boeing a preço de banana numa operação desastrosa com prejuízos incalculáveis à empresa. “A discussão agora é qual será o futuro da empresa, e se depender dos atuais acionistas está fadado ao fracasso, pois eles procuram novos parceiros o que também implicará numa grande reestruturação da empresa com muitas demissões e redução de direitos”, explica Mancha.

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS

QUENTINHAS