PUBLICADO EM 29 de set de 2023
COMPARTILHAR COM:

Diabetes aumenta risco de infecções e requer vacinação específica

Diabetes aumenta o risco de infecções graves, incluindo hepatite B. Descubra como e veja a importância da vacinação para pacientes diabéticos

diabetes

Diabetes aumenta risco de infecções e entre os principais está o da hepatite B – Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Mais de 16 milhões de pessoas vivem com diabetes no Brasil, e esse número pode chegar a 21 milhões em 2030, de acordo com projeções do Ministério da Saúde.

Diabetes aumenta risco de infecções

O que nem sempre está claro sobre essa doença é que ela pode ser agravada ou piorar infecções e isso requer uma atenção especial à vacinação.

Coordenadora dos centros de referência em imunobiológicos especiais (CRIEs) de Vitória desde 2004 e diretora da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Ana Paula Burian explica que o diabetes é uma das situações que dão direito a pacientes das redes pública e privada de acessar a imunização especial.

A alta concentração de açúcar no sangue em diabéticos afeta o sistema imunológico, aumentando o risco de infecções graves.

Entre os principais riscos, está o da hepatite B.

Diabetes aumenta risco de infecções e pacientes têm direito a receber vacina contra a hepatite B, se ainda não tiverem imunizados – Foto: Dênio Simões/Agência Brasília

“O sangue mais doce facilita a proliferação de bactérias, vírus e outros micro-organismo”, resume. “A hepatite B tem com o diabetes o que a gente chama de risco duplo. Se eu tenho uma pessoa com diabetes e ela pega hepatite B, ela evolui mais rápido para câncer de fígado e cirrose hepática, e ela descompensa mais rápido o diabetes dela, causando complicações, como amputações, descompensação renal, cegueira. A união de hepatite B e diabetes complica para os dois lados.”

A Sociedade Brasileira de Imunizações destaca que diabéticos têm risco 50% maior de pneumonia pneumocócica e até 4,5 vezes maior de doenças pneumocócicas graves.

Gripe e doenças graves

O diabetes pode agravar a gripe. Pessoas que vivem com diabetes estão entre os indivíduos com maior chance de desenvolver formas graves da doença, necessitar de hospitalização e até morrer.

Entre as vítimas da gripe no Brasil, sete em cada dez tinham alguma comorbidade. E, entre essas sete, entre 20% e 30% sofriam de diabetes mellitus.

Em CRIEs, pacientes diabéticos recebem anualmente a vacina contra a gripe e a vacina pneumocócica 23-valente, disponível apenas em situações de risco no PNI.

Esses pacientes também tem sua situação vacinal para hepatite B conferida e atualizada, se necessário.

A imunização contra esse vírus já faz parte do calendário vacinal, junto com a vacina pentavalente, aos 2 meses, aos 4 meses e aos 6 meses.

Leia também:

Aumento da população idosa vai demandar mais vacinas

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS

QUENTINHAS