PUBLICADO EM 29 de maio de 2018
COMPARTILHAR COM:
Colunista João Guilherme Vargas Netto

Os 7 pecados capitais de Temer

Ainda estamos no olho do furacão e é cedo para analisar com seriedade toda a situação. Até outubro e as eleições muita água vai rolar.

A própria mídia grande que se revelou desinteressada e desinformada quanto à gestação da crise (valorize-se a autocrítica da ombudsman da “Folha”) alardeia hoje um quadro de dificuldades e problemas a serem ainda resolvidos.

Mas, quaisquer que sejam a acuidade analítica e os desdobramentos da conjuntura, uma coisa é certa: o grande derrotado pela greve dos caminhoneiros foi o presidente Temer.

Ele cometeu 7 pecados capitais durante todo o processo, em sua motivação, em sua eclosão e em seus efeitos merecendo portanto o panelaço e o descrédito que lhe dedicam os brasileiros.

Estes 7 pecados capitais foram:

1) A política econômica executada pelo governo e, em particular, a aquiescência e a sustentação à política de preços da Petrobras – rentista, internacionalizada e antipopular;

2) A não previsão do alcance e magnitude da greve, o desprezo ao atendimento das reivindicações dos trabalhadores apresentadas ao longo do tempo ao governo e a leviandade com que foram tratadas as reclamações;

3) A negociação irresponsável e de má fé, o açodamento em sua condução e anúncio de resultados não confiáveis, bem como erro de negociar com quem não tinha o verdadeiro comando do movimento;

4) A tentativa de indispor-se com os empresários do transporte acusando-os (e ao movimento) de locaute, para mascarar seus próprios erros e vacilações e levar a sociedade a indispor-se com os caminhoneiros (erro que se repete agora com as denúncias de “infiltração política”);

5) A acelerada deterioração de suas relações com o Congresso Nacional e os governadores, levando a Câmara e o Senado a revelarem sua perplexidade, desorientação e oportunismo;

6) A sua comunicação desastrosa durante toda a crise e seu isolamento cada dia maior, seja quando recuava, seja quando ameaçava, desagradando a “gregos e baianos”;

7) A convocação arbitrária, intempestiva e aventureira das Forças Armadas cujos comandos, no fim das contas, recusaram cumprir o papel de capitães do mato.

Carlo Cipolla afirma em um ensaio impagável que uma das leis fundamentais da estupidez humana estabelece que uma pessoa é idiota se, com suas ações, prejudica os outros e a si próprio. O presidente Temer com seus 7 pecados capitais enquadra-se à perfeição na tipologia do economista italiano.

João Guilherme Vargas Netto é consultor sindical

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS

QUENTINHAS