PUBLICADO EM 25 de ago de 2020
COMPARTILHAR COM:
Colunista Carlos Alberto Pereira

O sacrifício de Getúlio foi o preço que a nação pagou para que continuássemos seguindo em frente

A revolução de 1930 foi um salto de qualidade em nossa constituição como nação. Instituiu-se o voto universal, o direito de voto para as mulheres e acabou o voto de cabresto, sustentação das oligarquias latifundiárias. Integrou-se o negro no mercado de trabalho e promoveu- se a cultura nacional (popular). Mas no período do “Estado Novo” é que foram feitas as mudanças políticas mais profundas em nosso país: nos direitos dos trabalhadores, em especial no salário minimo, na organização sindical, na industrialização, na cultura e na soberania nacional – enfrentamento armado à besta nazista, cabeça do imperialismo monopolista e financeiro.

A questão nacional é o cerne da questão democrática.

A destituição golpista de Getúlio em 1945 não foi um avanço. Foi um tremendo retrocesso. Dutra fez o Brasil andar para trás, no desenvolvimento, nos direitos trabalhistas, na independência e, principalmente, na democracia. Getúlio voltou nos braços do povo. Nomeou Jango ministro do trabalho. Deu 100% de reajuste no salário minimo – para repor o arrocho de Dutra – apoiou Jango para presidência do PTB. Getúlio criou a Petrobrás, o BNDES, enviou para o Congresso o projeto da Eletrobràs, promoveu o controle à remessa de lucros para o exterior e muito mais. Durante 50 anos o Brasil foi o país que mais cresceu no mundo capitalista. Chegamos à quinta economia mundial.

O sacrifício de Getúlio foi o preço que a nação pagou para que continuássemos seguindo em frente. O governo Jango deu continuidade à obra de Getúlio.

Não temos que começar do zero. Já construímos os alicerces da Pátria com Zumbi, Maria Quitéria, Luísa Mahin, Luiz Gama, Tiradentes, os 18 do Forte, a Coluna Prestes, Getúlio, Elisa Branco, Jango, Brizola e os heróis da resistência à ditadura.

Nossa tarefa é honrar nossas raízes e completar a obra daqueles que nos antecederam. Sem compreender isto, não chegaremos a lugar algum.

Carlos Alberto Pereira é Secretário Geral da CGTB

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS

  • José Veríssimo da Silva filho diretor de relações sociais do Sindicargas sp

    Bom dia companheiros e companheiras.
    Quero primeiro agradecer ao nobre Carlos Alberto Pereira. pela feliz iniciativa de trazer para o povo brasileiro tão maravilhosas lembranças. depois o parabenizar pois presisavamos que muitas outras pessoas tomasse as mesmas iniciativas até porque os nossos compatriotas tem a memoriia um tanto desfavorável porém quem sabe com um empurrãozinho desse as coisas não comesse a melhorar.

QUENTINHAS