PUBLICADO EM 16 de jun de 2020
COMPARTILHAR COM:
Colunista Francisca Rocha

Grave denúncia do Intercept sobre fraude no ensino à distância deve ser apurada com rigor

Publicada nesta segunda-feira (15), a reportagem “Escola com partido”, de Amanda Audi e Pedro Zambarda, no site The Intercept Brasil, faz descambar de vez o ensino remoto de apoio pedagógico de vários estados, dentre eles, São Paulo. O poder público tem obrigação de prestar esclarecimentos para a sociedade, afinal são nossas filhas e filhos que estão envolvidos.

“Uma empresa com sede numa sobreloja sem identificação na Região dos Lagos do Rio de Janeiro é a responsável por aplicativos usados por 7,7 milhões de alunos e professores de São Paulo, Paraná, Amazonas, Pará e Piauí para aulas à distância. A empresa, desconhecida mesmo no meio em que atua, é ligada a políticos bolsonaristas e a um acusado de participar de uma rede de prostituição de menores de idade”, afirmam os repórteres.

Leia a íntegra da reportagem aqui.

Cabe perguntar: como governadores tão experientes na vida política caíram numa cilada dessas? Mais ainda, todo o dinheiro gasto com uma empresa totalmente desconhecida não poderia ser melhor aplicado?

Desde o início questionamos a eficácia da instauração do ensino à distância, mesmo que remoto, de maneira tão atropelada, sem diálogo com todos os setores envolvidos e sem nenhuma licitação no estado de São Paulo.

Pior é entregar esse trabalho para uma “empresa, que em três meses saiu da obscuridade para se tornar a principal fornecedora de tecnologia para aulas à distância da rede estadual do país, entrou no negócio por acaso.

Até a pandemia, que tornou o ensino à distância fundamental, a IPTV tinha em seu currículo um único produto de sucesso. Trata-se do Mano, um aplicativo de streaming de vídeos criado em 2018 para que a campanha de Jair Bolsonaro a presidente pudesse driblar os vetos de redes sociais a notícias falsas. À época, o garoto-propaganda do Mano foi Flávio Bolsonaro, atualmente senador pelo Republicanos do Rio de Janeiro e enrolado em investigações que o colocam como parceiro de milicianos”, como mostra a reportagem.

Os governadores dos estados citados devem respostas à sociedade. Não podemos compactuar com uma afronta dessas à educação e à democracia. Os tramites desse contrato precisam ser divulgados e conhecidos por todos, porque estamos expondo nossas crianças e jovens a uma empresa com atitudes suspeitas, não somente de ligações políticas espúrias, mas também de suposto envolvimento com redes de prostituição de crianças e adolescentes, o que é gravíssimo.

Por que faltam recursos para a escola pública e sobram verbas para empresas suspeitas? Quais os interesses por trás de tudo isso? Os governadores foram enganados? Então que desfaçam os contratos com a obscura IPTV.

Ao Ministério Público cabe buscar essas respostas, investigar, trazer as explicações a público, comprovar as responsabilidades e encaminhar os resultados das investigações aos órgãos competentes do Judiciário. Os governos dos estados citados têm obrigação de colaborar com as investigações e romper os contratos imediatamente para não se tornarem cúmplices.

Francisca Rocha é secretária de Assuntos Educacionais e Culturais do Sindicato dos Professores de Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), secretária de Saúde da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Educação (CNTE) e dirigente da Central dos Trabalhadores e das Trabalhadoras do Brasil (CTB-SP).

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS

  • Rc Cursos Online

    Sou Cida Rocha, eu gostei muito do seu artigo seu conteúdo vem me ajudando bastante, muito obrigada.

QUENTINHAS