PUBLICADO EM 29 de maio de 2022
COMPARTILHAR COM:
Colunista Carolina Maria Ruy

Estar “ótima” e “super legal” aos 58 é novo para o povo brasileiro

Foto Arquivo pessoal/Década 1950

A atriz Andréa Beltrão, em seu instagram, passou um sermão no povo que se admira que uma mulher de 50, 60 pode ser bela, ativa a jovial. Ela disse que:

“’Nossa, Andréa, você tem 58 anos, mas está ótíma’. Quando eu escuto isso eu sorrio, agradeço até, não perco muito tempo. Mas o que esse ‘mas’ quer dizer? Que por ter 58 anos eu deveria estar péssima? Parece que sim. Se você é mulher e já passou dos 35/40 anos, você já deve ter ouvido isso na sua vida várias vezes. Talvez você já tenha dito isso para outra mulher. É uma questão cultural. Só que esse ‘mas’ carrega um preconceito gigante com a idade mesmo que a intenção seja boa. Eu tenho 58 anos e eu estou ótima. Eu tenho 58 anos e estou cheia de energia. Eu tenho 58 anos e me sinto maravilhosa. Eu tenho 58 anos e estou super legal. Sem nenhum ‘mas’.”

Não é a primeira vez que vejo reclamações desse tipo. Mas, e aqui eu vou usar o “mas” que a atriz repudia, penso que a reclamação, embora pareça progressista e feminista, esconde preconceitos e divisões de classe.

Isso porque é natural que o povo se admire com mulheres (em quantidade cada vez maior) que se mantenham bonitas e joviais, independentemente da idade. Patrícia Pillar, Alessandra Negrini, Paula Toller, Jennifer Lopez e a própria Andréa Beltrão são exemplos. Esse é um fenômeno novo.

Hoje você não precisa ser tão rica e famosa para conseguir se manter em forma ao longo das idades. São muito mais abundantes os recursos, desde informações, passando pela oferta de cosméticos, até a medicina. Nos anos de 1970 era outra coisa. Antes então, nem se fala.

A realidade das minhas avós que nasceram em 1929 e 1930 era de uma juventude em um meio predominante rural, muitos filhos, muita religião, pouco estudo, pouco dinheiro. Era a realidade da imensa maioria das mulheres e homens que cresceram e se desenvolveram ao lado das transformações do século 20. Os filhos das nossas avós já viveram em um mundo radicalmente transformado, com uma indústria do consumo crescentemente consolidada e acessível, embora aquela situação ainda seja a de grande parte dos brasileiros.

É no exemplo de mulheres sofridas como nossas avós das décadas de 1920, 30 e 40, (e de muitas de hoje), que o povo se mira quando se encanta quando vê uma mulher chegar aos 60 indiscutivelmente bela, jovem e no auge profissional. Com o tempo esse fenômeno deverá ser assimilado pelo senso comum, como já é normal uma mulher (ou homem) de 30 ser considerada jovem. Há 30 anos não era.

A memória do nosso passado rural ainda é muito presente. Ela está encarnada em nossos ancestrais diretos e no nosso convívio familiar e cotidiano. Neste sentido, acho importante valorizar os avanços sociais que nos permitem viver em plena forma durante mais tempo. “Mas” é preciso entender em que contexto esses avanços se dão e, mais do que isso, compreender que se a maioria ainda se espanta com isso, esta reação está enraizada em suas próprias experiências. Experiências que no conjunto fazem a nossa história.

Carolina Maria Ruy é jornalista e coordenadora do Centro de Memória Sindical

As opiniões expostas neste artigo não refletem necessariamente a opinião do Rádio Peão Brasil

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS

  • Rita de Cassia Vianna Gava

    Graças a ciência e Medicina também. É aos direitos adquiridos de não ser tão conformista

QUENTINHAS