PUBLICADO EM 15 de maio de 2020
COMPARTILHAR COM:
Colunista Ricardo Patah

Desemprego sobe

Às vésperas do 1º de Maio, onde o mundo comemora o Dia do Trabalhador, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou uma notícia lamentável para o trabalhador brasileiro, mostrando que, no primeiro trimestre do ano, cresceu o número de desempregados no País. O índice apresentado chegou a 12,9%, o que representa 13 milhões de desempregados, 1,3 milhão a mais do que no trimestre anterior.

Esses dados não estão contabilizando o impacto do Covid-19 na economia, o que certamente vai aumentar consideravelmente a massa de desempregados do País. Contudo, são números que, por si só, demonstram o equívoco da política econômica do governo Bolsonaro na recuperação da economia do Brasil e, muito mais grave, na apresentação de projeto em defesa do bem maior para o trabalhador, que é o emprego.

Sem contabilizar o impacto do Covid-19 na economia, o desemprego aumentou. Como será quando a pandemia passar?

A fila, na porta das agências da Caixa Econômica em busca de R$ 600,00, por conta da pandemia do coronavírus, já está sendo chamada de fila dos desesperados e é uma demonstração de que nossa política econômica não ia bem e tende a piorar se nada for feito com urgência.

Mais de 44 milhões de brasileiros e brasileiras, que se cadastraram para receber o abono, é um alerta para a grave situação econômica que estamos vivendo.

A União Geral dos Trabalhadores (UGT) há tempos vem denunciando a falta de uma política econômica do governo, a qual promova a geração de emprego e renda, colocando-se à disposição para colaborar nesse projeto. Porém, já se passou um ano e sete meses da posse do novo governo e, em nenhum momento, os trabalhadores foram chamados para opinar.

Precisamos dar um basta nessa situação!

Ricardo Patah é presidente nacional da União Geral dos Trabalhadores (UGT) e do Sindicato
dos Comerciários de São Paulo

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS

QUENTINHAS