PUBLICADO EM 27 de jan de 2022
COMPARTILHAR COM:
Colunista João Guilherme Vargas Netto

Agora é mãos à obra

Em sua primeira reunião anual as direções das centrais sindicais confirmaram o empenho unitário de realizar a Conferência Nacional da Classe Trabalhadora em abril de 2022, precedendo a comemoração do 1º de Maio.

Exatamente porque a luta dos trabalhadores e das trabalhadoras passa por enormes dificuldades é hora de reafirmar a vontade coletiva de resistência e mudança. A CONCLAT repactuará o movimento sindical consigo mesmo e com a sociedade; agora, mais que possível, é necessária.

Com sua experiência unitária as direções sindicais traçaram o rumo de suas iniciativas simultâneas à preparação do grande evento, apresentando sua agenda aos políticos e aos poderes da República.

Assim como o movimento sindical do mundo inteiro, o brasileiro preza as experiências que tiveram êxito e elimina, em sua recorrência, os eventuais erros e contratempos.

As duas grandes CONCLATs anteriores, a de 1981 e a de 2010, serão levadas em conta na situação atual em que não existem insanáveis contradições entre os sindicatos e não se podem realizar eventos com grandes aglomerações; basta combinar a presença física limitada com a virtualidade dos meios de comunicação, bem como garantir – antes, durante e depois – o espírito unitário construtivo.

Tomada a acertada decisão pelas direções sindicais, agora é mãos à obra.

João Guilherme Vargas Netto é consultor sindical

 

As opiniões expostas neste artigo não refletem necessariamente a opinião do Rádio Peão Brasil

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS

QUENTINHAS