PUBLICADO EM 18 de jun de 2020
COMPARTILHAR COM:
Colunista Clemente Ganz Lúcio

37 milhões estão sem empregos no Brasil

Novas pesquisas passam a mensurar os impactos da crise sanitária sobre o mundo do trabalho. A PNAD COVID19, produzida pelo IBGE a partir de maio, traz indicadores sobre saúde e sobre o mercado de trabalho (1) . Neste artigo vamos destacar alguns números relativos ao mundo do trabalho.

Em maio o IBGE estimou em 170 milhões a população em idade de trabalhar, das quais 95,3 milhões ou estavam ocupadas (84,4 milhões) ou desempregadas (10,9 milhões). O contingente desocupado aumentou em mais de 1 milhão entre a primeira e a quarta semana de maio, assim como cresceu 1,5 milhões o número de pessoas que passaram a integrar a força de trabalho.

A maioria que chega no mercado de trabalho não acha emprego. A taxa de participação está em 56% e indica uma baixa pressão na procura, se considerado que a taxa normalmente tende a estar a acima de 60%. Menos da metade da população (49,7%) em idade de trabalhar estava ocupada. Um mercado de trabalho anêmico em sintonia com a grave situação.

Entre a população em idade de trabalhar há 25,7 milhões de pessoas que não procuram emprego, mas gostariam (ou precisariam!) trabalhar e, entre estes, 17,7 milhões não o procuram devido ao isolamento, riscos da pandemia ou, ainda, por falta de oferta de postos de trabalho.
No total há 36,6 milhões de pessoas que procuram ou gostariam de procurar emprego!

O debate para enfrentar essa gravíssima crise econômica exige o planejamento de ações e medidas para garantir, imediatamente, renda para esse contingente e organizar iniciativas públicas capazes de criar milhões de ocupações no curto prazo. Mantida a dinâmica anêmica da economia brasileira observada antes da crise, o país levará 20 anos para gerar os postos de trabalho para ocupar esse contingente de pessoas!

Dos ocupados, 8,8 milhões (13,2%) estavam trabalhando de forma remota, em home office ou teletrabalho. Esse contingente aumentou em 200 mil ao longo das quatro semanas de maio. Notícias indicam que muitas empresas planejam tornar permanente esse tipo de trabalho para mais de 50% daqueles que hoje estão inseridos nessa condição.

São 17,6 milhões aqueles que estão ocupados e afastados do trabalho, sendo 14,6 milhões devido ao distanciamento social, quarentena ou isolamento, ou seja, 83%. Os demais estão afastados devido a férias, folga, licenças saúde, acidente, maternidade ou paternidade, ou ainda outro tipo de licença. No mês de maio o contingente afastado pelo isolamento caiu de 16,6 para 14,6 milhões, ou seja, mais pessoas voltaram ao trabalho ou foram para a desocupação ou inatividade.

Clemente Ganz Lúcio, sociólogo, consultor e professor, assessor das Centrais Sindicais.

(1) Disponível em https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/27972

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS

QUENTINHAS