cultura

Entender a Conjuração Baiana de 1798 ajuda a conhecer o Brasil de hoje

Acaba de ser lançado, na Bahia, o livro “Corporação dos Enteados – tensão, contestação e negociação política na Conjuração Baiana de 1798”, da historiadora Patrícia Valim.

cultura

Debate: A luta de classes no século XXI, em Salvador-BA

historia

Assassinato de Rosa Luxemburgo, há cem anos, tem reflexo na política atual, dizem historiadores

O tiro que em 15 de janeiro de 1919 matou a ativista socialista Rosa Luxemburgo aos 47 anos —e a torna ícone da esquerda alemã— ainda se faz ouvir cem anos depois. 

cultura

Tropicália, ou Panis et Circencis: um manifesto da sociedade industrial

Em Tropicália ou Panis et Circencis, ideias soltas e embaralhadas parecem não ter sentido. Mas este mosaico non sense gira em torno do tema da indústria como base de organização social e de criação de padrões. Em outras palavras, gira em torno da noção de avanço civilizacional, nos parâmetros da civilização ocidental.

entrevista

Raimundo Rodrigues Pereira: o sonho e a luta; entrevista

"Costumo dizer que o regime militar não fez nada de bom para o Brasil, mas me pôs em outro rumo" – foi com este comentário que o jornalista Raimundo Rodrigues Pereira resumiu a trajetória que, nos anos 1960, fez dele o decano do jornalismo político e da imprensa alternativa no Brasil. Em 1968 ele trabalhou na primeira edição da revista Veja e, apesar da censura, com apoio de colegas como Mino Carta, escreveu matérias de denúncia histórica. Com isto deu vazão a uma ousadia que até hoje define o seu jornalismo. Aos 78 anos há idealismo de sobra! Nesta conversa franca e bem-humorada, Raimundo fez um mergulho nesse passado que já se mede em cinco décadas. Contou suas primeiras ações, que podem ser entendidas como de enfrentamento à “autoridade” – e aos que a encarnam mais visivelmente: os militares. Leia aqui os principais trechos de suas falas.

historia

A situação econômica e social no Brasil em 1968; Entrevista com o professor e economista Luiz Gonzaga Belluzzo

A inflação projetada em 1964 estava em 114% ao ano e ela terminou o ano muito mais baixa. Como foi feito o ajustamento? O ministro do Planejamento, Roberto Campos, se recusou a fazer o “tratamento de choque” proposto pelo FMI. Campos disse: “Não vou fazer porque geraria um desemprego muito grande e porque perderíamos o controle sobre o investimento público”. Isso em 1965.

historia

Para João Guilherme, não podemos entender 1968 partindo do AI-5

Segundo Vargas Netto, nesta entrevista para o Centro de Memória Sindical,  em 1968, antes da decretação do A-I5 (que nesta quinta, 13, completa 50 anos), havia espaço para uma resistência democrática. Mas entre atropelos, radicalizações e posições extremistas, o desfecho de 1968, em 13 de dezembro, foi a vitória da repressão e da ditadura descarada.

historia

1968: da Greve de Contagem ao AI-5

No contexto da Guerra Fria o golpe militar de 1964 impôs um regime alinhado politicamente aos Estados Unidos acarretando uma situação de atraso político, desigualdade social, censura aos meios de comunicação e de violenta repressão, que duraria duas décadas.

historia

Aurélio Peres, exemplo de lutador pelo povo

Nesta quinta-feira (6) foi lançada em São Paulo a biografia de Aurélio Peres ("Aurélio Peres — vida, fé e luta"), de autoria de Osvaldo Bertolino que, nesta entrevista, fala sobre a aventura de escrevê-la.

historia

Senado inclui JK no Livro dos Heróis e das Heroínas da Pátria

O Senado aprovou o projeto de lei (PLC 122/2017) que inscreve o nome do ex-presidente da República Juscelino Kubitschek de Oliveira no Livro dos Heróis e das Heroínas da Pátria, guardado no Panteão da Pátria, em Brasília.