Colunista Sergio Luiz Leite (Serginho)

100 anos da OIT e da luta pela humanização do trabalho

Em 2019 comemoramos os 100 anos da Organização Internacional do Trabalho (OIT), entidade criada com o fim da 1ª Guerra Mundial para discutir questões como desemprego, jornada de trabalho, proteção à maternidade, trabalho noturno e trabalho do menor

O abandono da política de valorização do salário mínimo

Neste Dia Internacional do Trabalho, data em que, historicamente, comemoramos conquistas e o fortalecimento da classe trabalhadora, infelizmente não temos boas notícias para comemorar. No último dia 15 de abril, o governo Bolsonaro encaminhou projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) ao Congresso Nacional abandonando a política de valorização do Salário Mínimo Nacional – grande conquista dos trabalhadores brasileiros.

FEQUIMFAR – 61 Anos de lutas e conquistas!

No momento em que o movimento sindical sofre um forte ataque à sua liberdade e autonomia de organização, trabalhadores têm os seus direitos trabalhistas e previdenciários ameaçados, retração da economia e desemprego crescente, nesse cenário, a nossa FEQUIMFAR, que agrega 33 sindicatos filiados e representa mais de 195 mil trabalhadores, completa 61 anos de história!

100 dias de governo Bolsonaro: desacertos e controvérsias

Até mesmo os bolsonaristas mais aguerridos têm dificuldade para defender o desgoverno que marca os 100 primeiros dias de Bolsonaro na presidência da República. A inabilidade política e a tentativa de perpetuação do clima de campanha eleitoral fazem de reféns os trabalhadores e toda a sociedade brasileira. O discurso do “nós honestos” contra “eles corruptos”, da “nova política” contra a “velha política”, se arrasta como se os problemas do país se resolvessem pelo controle da narrativa. O crescimento do desemprego no país, por exemplo, é uma verdade que aflige 13 milhões de brasileiros e não pode ser fantasiada pelo discurso do presidente ainda em ritmo de campanha.

Trabalhadores químicos serão especialmente prejudicados pela Reforma da Previdência

A Reforma da Previdência apresentada pelo governo Bolsonaro se mostrou ainda mais cruel que aquela intentada por Temer em 2016. A PEC 06/2019 destrói a Seguridade Social conquistada pela sociedade brasileira e cristalizada na Constituição Federal. Para os trabalhadores e trabalhadoras que colocam sua saúde em risco trabalhando expostos a agentes nocivos (como por exemplo, calor, ruído, radiação, poeira, gazes etc.), a reforma da Previdência é especialmente prejudicial.

Nossa saudação no Dia Nacional dos Aposentados

Nesta data em que comemoramos o Dia Nacional dos Aposentados – 24 de janeiro, também reafirmamos o compromisso da FEQUIMFAR e Sindicatos filiados com a luta dessa importante parcela da sociedade que está sempre presente, junto ao movimento sindical, contribuindo com uma sociedade mais justa.

Os perigos do regime de capitalização da Previdência

Paulo Guedes, o guru econômico do presidente, formado pela ultraliberal Escola de Chicago (EUA), pretende implementar no Brasil o sistema previdenciário de capitalização nos moldes do modelo chileno. E por que isso é tão grave? Primeiro, porque o próprio governo chileno atestou o fracasso do sistema de capitalização implantado em 1981 pela ditadura de Pinochet, tendo que hoje complementar as pensões pagas para retirar os beneficiários da linha da pobreza. O relatório final da “bravo comission” para reforma da Previdência chilena, proposto à ex-presidenta Michelle Bachelet, sugere o resgate da solidariedade do sistema de modo muito próximo ao que temos na Constituição brasileira de 1988.

Um ano de reforma trabalhista: informalidade e insegurança jurídica

A taxa de desemprego medida pela PNAD-IBGE cresceu entre dezembro de 2017 e março de 2018, iniciando um modesto recuo a partir de abril enquanto se observava paralelamente uma grave expansão dos postos de trabalho informal.

Os 30 anos da Constituição Cidadã: avanços, retrocessos e desafios

A Constituição estabelece aos sindicatos a representação de todos os trabalhadores de suas respectivas categorias, e, para tanto, determina também uma fonte de custeio capaz de manter o sistema confederativo estruturado na unicidade sindical. Contudo, em outro ataque da Reforma Trabalhista, ratificado pelo Poder Judiciário, houve um desvirtuamento do sistema de custeio sindical. Como poderemos buscar um fortalecimento da negociação coletiva com o aprofundamento do desequilíbrio existente entre as entidades de representação do capital e do trabalho?

Defenda seu 13º salário!

O 13º salário foi conquistado em 1962 pela luta e mobilização do povo brasileiro. Hoje ele faz parte da vida de 83 milhões de pessoas, entre empregados com carteira assinada, trabalhadores domésticos, aposentados, pensionistas e servidores.